PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Para Cid Gomes, em cima da terra, tuneladoras estão no paraíso

01:30 | 13/01/2018
Ele defendeu reaproximação com Eunício Oliveira MATEUS DANTAS
Ele defendeu reaproximação com Eunício Oliveira MATEUS DANTAS

Para o ex-governador do Ceará, Cid Ferreira Gomes (PDT), os “tatuzões” parados em cima da terra estão no “paraíso”. As quatro máquinas para perfuração de túneis da Linha Leste do Metrô de Fortaleza (Metrofor) foram adquiridas em 2013 a um custo de R$ 138 milhões. “As tuneladoras trabalham embaixo do chão, em contato com ácido, elas em cima da terra, sem fazer nada, estão é no paraíso. Só os imbecis falam isso (criticam) para fazer maledicência”, atacou o ex-governador.

Desde a compra, as perfuratrizes sempre estiveram cercadas de polêmicas, já que não é comum ao cliente – no caso o Governo do Ceará – adquirir os equipamentos usados na obra.

Em entrevista ao radialista Izaías Nicolau, da Rádio Tupinambá, o ex-chefe do Executivo estadual explicou que os equipamentos foram a alternativa encontrada para a Linha Leste passar sob a avenida Santos Dumont sem precisar de intervenções na superfície da via.

Na mesma entrevista, Cid Gomes mostrou novamente interesse na aproximação com o presidente do Senado, Eunício Oliveira (PMDB),. Sobre outro ex-aliado, Tasso Jereissati (PSDB), o Ferreira Gomes preferiu silenciar. “Já tirei o chapéu, hoje fico calado”, brincou.

Cid revelou que a própria candidatura não é prioridade e que só concorrerá se isso beneficiar o aliado petista e o irmão, Ciro Gomes (PDT), que irá disputar a Presidência da República. O ex-governador ainda criticou Capitão Wagner (PR), a quem chamou de “oportunista sem talento”, e o deputado federal e pré-candidato ao Planalto Jair Bolsonaro (PSC).

Quanto a Eunício, Cid titubeou, mas reconheceu o apaziguamento das relações com o senador. “Espero que esse processo de reaproximação (com Eunício) possa ser reconstruído em bases que beneficiem o povo cearense”, disse na mesma entrevista. Também no programa de rádio, o pedetista afirmou que não há acordo estabelecido com o ex-aliado.