PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Tucano deixa governo Temer e reforma ministerial é antecipada

O ministro das Cidades, Bruno Araújo, entregou o cargo ao presidente Michel Temer. Em carta, Araújo diz que não há mais apoio dentro do seu partido, o PSDB, para se manter no cargo. Decisão acelera reforma ministerial

01:30 | 14/11/2017
NULL (Foto: )
NULL (Foto: )
[FOTO1]

Um pouco antes de participar de cerimônia simbólica de entrega de cartão reforma no Planalto, o ministro das Cidades, Bruno Araújo, teve uma conversa com o presidente Michel Temer e pediu a exoneração do cargo. Na carta entregue ao presidente, Araújo diz "não há mais apoio" para que ele siga no comando da Pasta e fala indiretamente da crise vivida no PSDB. "Agradeço a confiança do meu partido, no qual exerci toda a minha vida pública, e já não há mais nele apoio no tamanho que permita seguir nessa tarefa", escreveu.


A decisão dá início à debandada tucana do governo Michel Temer e também antecipa a reforma ministerial planejada há alguns meses.

[SAIBAMAIS]

O Ministério das Cidades está sendo cobiçada por aliados da base insatisfeitos com o espaço no governo e que pedem a mudança administrativa em troca de aprovar projetos de interesse do governo, como a reforma da Previdência. "Tenho a convicção, Sr. Presidente, que a serenidade da história vai reconhecer no seu Governo resultados profundamente positivos para a sociedade brasileira. Receba minha exoneração e meus agradecimentos", completa o deputado pernambucano que estava licenciado.


Bruno diz que, em maio do ano passado, aceitou o convite "para ajudar o País no processo de transição que permitisse, nas palavras do ex-presidente Fernando Henrique, 'repor em marcha o governo federal' e preparar o País para o seu próximo líder a ser eleito daqui a alguns meses".


Bruno Araújo, que discursou no evento no Planalto, afirmou que sob seu comando o Ministério das Cidades avançou em governança. "Recuperamos o Minha Casa, Minha Vida e a credibilidade nos compromissos financeiros. Implantamos duas ações que vão deixar marcas relevantes no desenvolvimento social do País: o Cartão Reforma e a Nova Legislação de Regularização Fundiária", escreveu. "Preciso agradecer o apoio de toda nossa competente equipe nessas realizações, e de modo especial a sua confiança, que de trato sempre fidalgo e republicano, permanentemente nos deu autonomia em busca da melhor entrega possível a população brasileira", completa.


O agora ex-ministro afirmou que há ainda muito o que se fazer. "O País responde rapidamente ao comando da boa gestão, testemunhei isso. É hora das prioridades serem mais da sociedade e menos das corporações. É fundamental coragem de todos para os enfrentamentos que protejam as necessidades dos que não conseguem faltar ao trabalho para vir a Brasília clamar por melhores serviços públicos”.


O tucano é o primeiro ministro do PSDB a pedir demissão diante das movimentações da cúpula do partido para desembarcar do governo Temer. Além dele, há outros três nomes da sigla na Esplanada dos Ministérios: Antonio Imbassahy (Secretaria de Governo), Aloysio Nunes (Relações Exteriores) e Luislinda Valois (Direitos Humanos).

Agências de notícias

TAGS