Participamos do

Bate-pronto com Eduardo Amorim

01:30 | Jun. 21, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia

Eduardo Amorim (PSDB), senador por Sergipe


O POVO - O que fez o senhor votar contra a reforma trabalhista?

Eduardo Amorim -Avisei ao partido e ao governo que meu voto seria contra a reforma porque eu tenho pregado isso. Ano passado, o governo solicitou que votássemos a reforma do controle dos gastos. Era hora de estarmos votando a reforma tributária e não tirar direito conquistado de décadas. Agi com consciência e coerência.

 

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

OP - O senhor teme represália?

Eduardo: O partido tem sido muito honesto comigo. Sabia do voto e não me tirou da comissão. Podia tirar, mas não tirou. Divergir é natural e engrandece com respeito e consideração como tratei e o partido também.

 

OP - O que levou a essa derrota do governo?

Eduardo Amorim -Percebo é que hoje o governo ou subestimou ou avaliou mal. Ninguém pode sofrer uma perda e não fazer uma reflexão sobre isso. É um equívoco.

 

OP - Quais os seus planos para 2018?

Eduardo Amorim -Tenho três planos possíveis tentar reeleição (Senado), governo (de Sergipe) ou voltar para minha medicina.

 

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente