PUBLICIDADE
NOTÍCIA

Manifestações alteram fluxo da Cidade

Bloqueio de vias, lojas fechadas e manifestações marcam dia de manifestações na Capital. Ônibus operaram com 61% da capacidade e cidades do Interior também realizaram protestos

01:30 | 29/04/2017
NULL (Foto: )
NULL (Foto: )
[FOTO1]

Contra as propostas de Reforma da Previdência e Reforma Trabalhista, milhares de pessoas se reuniram ontem em protesto no Centro de Fortaleza e em outros municípios do interior do Estado. Na Capital, o chamado dia nacional de greve convocado por centrais sindicais foi marcado por bloqueio de avenidas, redução da frota de ônibus, comércio e escolas fechados e manifestações nas praças Clóvis Beviláqua e José de Alencar.


Nas primeiras horas da manhã, em Fortaleza, representantes do Sindicato dos Trabalhadores em Transportes Rodoviários do Estado do Ceará (Sintro) foram até as garagens de ônibus para convocar os motoristas. Avenidas como Mister Hull, 13 de Maio e Domingos Olímpio foram bloqueadas.


Com a redução de linhas de ônibus e interdição de vias por manifestantes, a população se dividiu entre os que se organizaram para ir aos protestos e os que ainda tentaram chegar ao trabalho. “O motorista avisou: daqui em diante, a gente não passa mais”, comentou a confeiteira Maria Lindalva da Silva, 37, passageira da van do Novo Maracanaú. Do bairro Damas, ela pensava em ir a pé até o trabalho, na Avenida do Imperador. Por sorte, conseguiu carona até lá. “Nem pensei ainda como vai ser a volta, quero primeiro chegar”, disse pela manhã.


No Interior, foram registrados protestos nas cidades de Brejo Santo, Russas, São Benedito, Madalena, Forquilha, Sobral, Crateús.


O POVO esteve em algumas escolas particulares e públicas de Fortaleza. A Escola Vila e o Colégio Nossa Senhora das Graças, no Bairro de Fátima, o Colégio da Imaculada Conceição, no Centro, e o Colégio Salesiano Dom Bosco, no Joaquim Távora, não tiveram aulas no dia de ontem por causa da greve geral.


Na frente do Instituto Doutor José Frota (IJF) e do Hospital Geral Doutor César Cals, profissionais de saúde aderiram ao dia de greve com protestos organizados pelo Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Serviços de Saúde no Ceará (SindSaúde), com atos entre as 7 e as 9 horas. As manifestações prosseguiram até cerca de meio-dia. No fim da tarde, a volta para casa se deu de forma tranquila. Com o fechamento do comércio, as vias estavam livres e, mesmo com redução dos ônibus, não houve transtorno. (Eduarda Talicy, Igor Cavalcante, Ana Rute Ramires e Thaís Brito)

 

Bloqueio de vias no Centro

Cerca de 30 ônibus foram usados para bloquear o cruzamento da avenida Domingos Olímpio com a rua Tristão Gonçalves. Eles foram distribuídos entre as faixas e tiveram os pneus furados e as chaves recolhidas. Na área, muitos motoristas foram obrigados a circular na contra-fluxo no cruzamento para fugir do bloqueio. Longas filas de carros se formaram na região. A Polícia Militar também atuou para impedir que mais coletivos fossem parados. Os agentes da segurança pública escoltaram alguns coletivos. Sem ônibus, os passageiros seguiam a pé em busca de linhas alternativas.

 

Incêndio na Mister Hull

No bairro Antônio Bezerra, por volta das 7 horas, a principal via de acesso que liga Caucaia a Fortaleza, a avenida Mister Hull (rodovia BR-222), foi interditada. No local, pneus foram queimados para bloquear a BR e faixas de protestos foram levantadas. Muitos veículos realizaram retorno pela contramão da via e outros desviaram o percurso pelo bairro Conjunto Ceará. Em outro ponto da Mister Hull, próximo ao Campus do Pici, pneus de coletivos foram furados para interditar a avenida nos dois sentidos

 

Escolas paralisaram

Na Escola Estadual Justiniano de Serpa, assim como nas demais escolas públicas em Fortaleza, os alunos não tiveram aulas. Professores e funcionários da Educação ligados às redes públicas estadual e municipal do Ceará aderiram à paralisação

 

Comércio fechado

Nas primeiras horas da manhã, poucas lojas estavam abertas no Centro. Alguns funcionários esperavam o início do expediente. Na Praça do Ferreira, muitas pessoas ainda dormiam no chão. Havia poucos veículos nas ruas e, ao longo da manhã, o bairro foi recebendo os manifestantes

 

Protestos no Interior

Cerca de 400 pessoas percorreram o centro de Beberibe (foto), no litoral Leste, em protesto contra reformas do governo Michel Temer. Evento começou às 8h e conta com participação de diversos sindicatos de categorias municipais. As cidades São Benedito (foto), Russas, Amontada, Forquilha e Itapipoca também registraram manifestações semelhantes

 

A volta pra casa

No início da noite, na volta para casa, as paradas de ônibus estavam bem menos movimentadas que nos dias normais. Além disso, a frota de ônibus permaneceu reduzida, o que fez algumas pessoas pegarem mais de um veículo para chegarem às suas casas. Ainda assim,o retorno foi tranquilo e as vias permaneceram com trânsito livre

 

TAGS