Participamos do

Presidente do Senado quer tomar a frente na crise hídrica

Em encontro do PMDB com prefeitos do Estado, Eunício Oliveira, presidente do Senado Federal, diz que é o seu "papel" e irá "utilizar" o posto no Congresso para trazer recursos para o Ceará e para o Nordeste
01:30 | Fev. 18, 2017
Autor O POVO
Foto do autor
O POVO Autor
Ver perfil do autor
Tipo Notícia
Primeiro compromisso de Eunício Oliveira (PMDB) como presidente do Senado no Ceará, encontro do PMDB reuniu 65 prefeitos da sigla no Estado.

 

Na ocasião, Eunício anunciou que iria liderar esforço para transformar o cenário de crise hídrica cearense. Para ele, “seu papel”, agora também como presidente, é lutar pela causa no Estado e utilizar “ao máximo o mandato de senador.


Dirigindo-se aos prefeitos em seu discurso, Eunício destacou sua ação na Medida Provisória (MP) nº 733, da qual ele foi relator e que deu origem à lei nº 13.340, sancionada pelo presidente Michel Temer (PMDB) no ano passado e assinada em dezembro, em Fortaleza.

Seja assinante O POVO+

Tenha acesso a todos os conteúdos exclusivos, colunistas, acessos ilimitados e descontos em lojas, farmácias e muito mais.

Assine

A MP autoriza a liquidação e renegociação de até 95% da dívida de agricultores com o Banco do Nordeste (BNB).


“O BNB, que deveria ser um eterno parceiro dos agricultores do Ceará e Nordeste brasileiro, na gestão passada, sempre criou muita dificuldade para que esses homens e mulheres sofridas do campo brasileiro tivessem a oportunidade”, criticou o senador.


“O BNB não está fazendo nenhum favor aos agricultores brasileiros. Alegavam que os gerentes dos bancos tinham que dar resultado. Resultado? No pescoço dos agricultores pobres e endividados brasileiros? Não era correto, não era justo”, completou.

 

Denocs

O peemedebista ressaltou que o posto de presidente do Senado não irá afetar em nada as negociações com o Governo do Estado para obter recursos no combate à crise hídrica. “É o meu papel. Vou utilizar ao máximo do mandato de senador para ajudar o Brasil, o Nordeste”, disse.

 

Eunício acrescentou que, apesar de adversário do governador do Estado Camilo Santana (PT), que o derrotou nas eleições de 2014, não irá criar dificuldades no “Pacto Federativo” e para “trazer recursos para desenvolver o Ceará”.


O senador também afirmou, na presença do diretor-geral do Departamento Nacional de Obras Contra Seca (Dnocs), Ângelo Guerra, que o órgão será “revitalizado” depois de ter sido esquecido pela gestão petista no Governo Federal.


“Mas não vou fazer juízo de valor. O Dnocs foi revitalizado no ponto de vista de recursos, para atender as demandas de seca e sofrimento no Ceará e no Nordeste. Estamos no caminho certo”,respondeu.


No encontro, no restaurante Sal e Brasa, no bairro Meireles, estiveram presente também, além de gestores, ex-prefeitos, deputados federais e estaduais. No total, foram mais de 600 convidados.

 

Saiba mais


Mesa de Eunício

À mesa de Eunício Oliveira, durante o almoço, sentaram-se o ex-governador Lúcio Alcântara (PR), o ex-senador Mauro Benevides (PMDB) e os deputados federais Cabo Sabino (PR), Moses Rodrigues (PMDB) e Domingos Neto (PSD). Este último, há três meses aliado forte da base de Camilo Santana (PT), sentou ao lado do senador e fez uma transmissão ao vivo com Eunício em seu Facebook.

 

Além destes, estiveram presentes ainda os deputados estaduais Capitão Wagner (PR) e Carlos Matos (PSDB).

Dúvidas, Críticas e Sugestões? Fale com a gente