PUBLICIDADE
Jornal

VERSÃO IMPRESSA

Família cobra investigação sobre morte de vendedor

24/04/2019 21:09:06

A família de Valdenir Mendes Cirino cobra investigação sobre a morte do vendedor. Ele foi vítima de espancamento na avenida 13 de Maio, no último dia 11 de outubro. A vítima morava no bairro Jardim Jatobá.

De acordo com a esposa, grávida de três meses, no dia do crime, o comerciante saiu de casa para aproveitar algumas promoções, pois vendia livros na Praça dos Leões, no Centro. Quando voltou à residência, estava com hematomas espalhados pelo corpo. Ele relatou que voltava do Centro a pé quando foi abordado, na avenida 13 de Maio, por um grupo que fazia panfletagem do candidato Fernando Haddad (PT).

Cirino disse ter recusado o material de campanha e afirmado aos manifestantes que votaria em Jair Bolsonaro (PSL), conforme relatou à esposa. Houve discussão, luta corporal e o vendedor foi ferido.

Ela disse ter socorrido o marido no mesmo dia. O casal foi à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) do Bom Jardim e encaminhado ao Hospital de Messejana. Com dores, ele foi várias vezes à UPA e ao hospital. Ia, era atendido, liberado e voltava ao sentir dores. Cirino passou por exames de raio-X, eletrocardiograma e hemograma.

No sábado, 20, o homem foi novamente à UPA, mas chegou morto à unidade. A esposa disse ter sido informada pelos profissionais que o marido sofreu parada cardiorrespiratória. O laudo cadavérico ainda deve ser liberado com a indicação da causa da morte.

Por meio de nota, a Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social (SSPDS) informou que há investigação em andamento para esclarecer o caso. O nome da esposa não foi revelado para preservar a imagem da família.

TAGS