VERSÃO IMPRESSA

Uma merecida estatueta

Após quase 20 anos de carreira, Viola Davis recebe sua primeira estatueta do Oscar, na categoria de Melhor Atriz Coadjuvante, por sua atuação em Um Limite Entre Nós. O prêmio coroa uma trajetória cheia de papéis marcantes

17:00 | 04/03/2017

[FOTO1]
Após diversos papéis em longas premiados, Viola Davis vence, aos 51 anos de idade, o primeiro Oscar de sua carreira. A norte-americana que, em 2018, soma duas décadas de profissão, levou a estatueta de Melhor Atriz Coadjuvante por Um Limite Entre Nós, drama produzido em 2016 e que chegou aos cinemas brasileiros no último dia 2.
 

Em Fences, título original da trama na qual Viola contracena com o protagonista Denzel Washington (O Livro de Eli/2010) e Jovan Adepo (estreante no mundo da sétima arte), a atriz dá vida a Rose. Esposa de Troy (Denzel) e mãe de Cory (Jovan) na ficção, ela luta por dias mais dignos ao lado da família, que tem como patriarca um catador de resíduos sólidos descontente com a realidade profissional e frustrado por não ter conseguido, no passado, guinar a carreira de jogador de beisebol. O filho, por sua vez, sonha com o universo esportivo, mas, devido ao trauma do pai, encontra resistência, razão pela qual os dois travam uma “guerra” em casa.
 

O Oscar 2017, que marca a 89ª edição da entrega das estatuetas mais cobiçadas de Hollywood, aconteceu no último domingo de fevereiro deste ano, 28, e elegeu Moonlight: Sob a Luz do Luar como Melhor Filme. Nas categorias de intérprete, foram contemplados também Casey Affleck, Emma Stone e Mahershala Ali, que receberam, respectivamente, os prêmios de “Melhor Ator”, “Melhor Atriz” e “Melhor Ator Coadjuvante” por Manchester À Beira-Mar, La La Land e Moonlight: Sob a Luz do Luar - nesta ordem.

A PREMIADA VIOLA
“Só há um lugar onde pessoas com grande potencial estão juntas. Esse lugar é o cemitério. As pessoas sempre me perguntam ‘Quais histórias você quer contar, Viola?’. E eu digo: desenterrem esses corpos. Desenterrem essas histórias. Histórias de pessoas que sonham alto e não têm esses sonhos realizados, pessoas que se apaixonaram, mas esse amor não deu certo”, disse, entre tantas outras palavras, Viola ao receber sua estatueta.
 

Na disputa pelo reconhecimento da The Academy Awards também em 2009 e 2012, Viola carrega o feito de ser a primeira atriz negra a ser indicada três vezes ao Oscar. Com um Emmy, um Globo de Ouro, um BAFTA, um National Board of Review, um Satellite Award, um Critics Choice Awards e três Screen Actors Guild, ela é uma das peças do tabuleiro hollywoodiano que possuem nome grifado na Calçada da Fama.
 

Em sua bagagem cinematográfica, a estrela que tem seu nome no setlist de mais de vinte produções televisivas estadunidenses carrega aproximadamente trinta atuações em filmes que pairam pelos gêneros ação, drama, romance, comédia dramática, dentre outros.
 

Viola é, para muitos, rosto inesquecível de Histórias Cruzadas (do diretor Tate Taylor), trama na qual traz ao público Aibileen Clark, uma mulher negra que, cansada do regime racista e segregacionista dominante nos Estados Unidos no século XIX, resolve mobilizar em Jackson, pequena cidade de Mississipi, colegas de profissão que cotidianamente passam pelo mesmo preconceito. A finalidade é ajudar Skeeter (Emma Stone – La La Land/2016) a escrever um livro e, assim, ecoar o sofrimento dela e de suas companheiras de trabalho.
 

Esse, entretanto, não foi o único longa no qual Davis emprestou seu talento com o propósito de reflexão social. Em A Luta por um Ideal (do cineasta Daniel Barnz), ela vive uma mãe em busca de educação de qualidade para seus filhos e que, consequentemente, tenta impedir a decadência de uma escola local. Na película, que assim como Histórias Cruzadas é vencedora de premiações e data de 2012, a burocracia e a corrupção são alguns dos desafios a serem enfrentados por ela. Já filmando o próximo longa, Widows, Viola deve voltar ainda em 2017 às grandes telas brasileiras em Lila e Eve, no qual ela e Jennifer Lopez interpretam duas mães que perderam seus filhos e que embarcam em uma jornada de vingança. Vale aguardar!

TAGS