PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Gestão por um Leão autossustentável

| FUTEBOL | Presidente do Fortaleza revela detalhes de uma administração que ajudou o Leão do Pici a sair da 3ª para a 1ª Divisão e a conquistar os títulos mais importantes da história Tricolor

03/06/2019 02:24:06
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-04-2019: Ceará x Fortaleza, Campeonato Cearense 2019. Segundo jogo da final. Estádio do Castelão.  (Foto: Júlio Caesar/O POVO)
FORTALEZA, CE, BRASIL, 21-04-2019: Ceará x Fortaleza, Campeonato Cearense 2019. Segundo jogo da final. Estádio do Castelão. (Foto: Júlio Caesar/O POVO) (Foto: JÚLIO CAESAR)

O futebol, cada vez mais, funciona como um grande negócio. Não basta contratar bons jogadores para se obter sucesso dentro das quatro linhas. Os clubes têm se tornado enormes empresas, que precisam de profissionalização, planejamento e, sobretudo, gestão. São esses os pilares que fizeram de Marcelo Cunha da Paz um dos presidentes mais vitoriosos da história centenária do Fortaleza.

Em novembro de 2017, o administrador graduado pela Universidade Federal do Ceará (UFC) trocou a rotina de dono de escola na capital cearense para gerir um dos maiores clubes do Nordeste. O resultado foi que, com apenas 18 meses no cargo, Marcelo Paz levou o Fortaleza a ser Campeão da Série B do Campeonato Brasileiro, da Copa do Nordeste e do Campeonato Cearense.

"A bola não entra por acaso", diz Marcelo Paz. A conquista dos títulos mais importantes dos 100 anos do clube refletem a evolução que o Leão do Pici tem demonstrado em diversos setores. A profissionalização é o grande legado que o dirigente quer deixar no clube. Certo é que ele já deixou seu nome marcado na história do Tricolor.

O POVO - Já caiu a ficha da dimensão da conquista da Copa do Nordeste?

Marcelo Paz - Eu sei que é muito grande, mas a gente só vai ter essa dimensão no futuro, quando virar uma lembrança. Hoje, ainda é o momento. E às vezes não conseguimos perceber a grandiosidade do feito. Na hora que virar uma lembrança, aí a gente tem a exata dimensão do que é essa conquista.

OP - Imaginou que o sucesso viria tão rápido?

Marcelo Paz - Eu entrei no Fortaleza para dar o meu melhor, como tudo que faço na vida. Até um racha que eu vá jogar, quero ganhar. É claro que eu não esperava em um curto tempo, três títulos. A gente deseja, sonha, acredita, mas é difícil. Só que não é por acaso. É trabalho, dedicação, competência das pessoas envolvidas. É sempre multifatorial. Uma empresa, um clube, tem diversas pessoas e fatores que contribuem para esse resultado. Não esperava, mas acho que nós merecemos.

OP - Mesmo com pouco tempo, acredita que já conseguiu marcar seu nome na história do Fortaleza?

Marcelo Paz - De forma muito honesta, acredito que sim. Não sei como vai ser o resto dessa história, como ela vai ser contada no todo, porque ainda não acabou. Tem dois anos e meio de gestão. Muita coisa pode acontecer, mas as conquistas ninguém tira. As conquistas já aconteceram, e da forma como aconteceram, dentro do centenário, num espaço de sete meses, com as conquistas administrativas, que também devem ser lembradas... 30 mil sócios, mudanças estruturais, profissionalização da diretoria, uma série de situações que a gente criou. Isso está feito e não se apaga. Como vai ser o restante da história, nós não sabemos. Vou fazer de tudo pra que continue sendo vitoriosa, para dar orgulho ao torcedor. Mas o trabalho só pode ser avaliado quando termina. Não existe trabalho 100% bem feito antes de ser concluído. Mas esse período já pode ser considerado como vitorioso, como histórico.

OP - Ter no Fortaleza dirigentes remunerados foi fundamental para isso?

Marcelo Paz - O modelo atual de gestão do Fortaleza é um modelo correto, em que eu me dedico 100% ao clube. E é assim que tem que ser. Estamos falando de paixões e milhões. Tem muita coisa em jogo.

OP - Por qual motivo esse processo de profissionalização só virou prioridade quando você assumiu o clube?

Marcelo Paz - A profissionalização não começou comigo. Temos que ser fiéis e honrar as pessoas que trabalharam antes. Um grande passo que o Fortaleza deu foi a marca própria, e foi feita em 2016, com o presidente Jorge Mota e os dois vices, Evangelista Torquato e Ênio Mourão. Já foi um passo importante. A chegada do Luís Eduardo Girão, em 2017, foi fundamental. Primeiro porque ele fez um aporte financeiro que o clube precisava. Não tinha como, precisava de dinheiro para a coisa andar, e ele tirou do bolso. E também implantou profissionalismo. Trouxe dois executivos da empresa dele para trabalhar no clube e foi trilhando esse caminho. Na minha chegada, eu busquei intensificar tudo isso. Fazer uma gestão profissional é ter pessoas competentes em suas áreas de atuação. Não pode botar o marketing na mão de um cara porque é filho de ex-presidente, ou é conselheiro, ou não sei o que. Isso não é marketing. Isso é coleguismo.

OP - Qual o setor que mais simboliza a profissionalização no Fortaleza?

Marcelo Paz - Tem vários. Fizemos um planejamento estratégico, contratamos uma empresa que tem método e foram traçadas metas. Todos os setores têm metas. Planejamento, operação de jogo, sócio-torcedor, lojas, jurídico, marketing... O clube funciona como uma empresa. É para escolher só um? Se for só um, é o marketing. O marketing do Fortaleza é um símbolo do profissionalismo. Primeiro porque nós temos um grande diretor que é o Marcel Pinheiro. Segundo porque temos uma equipe de 13 pessoas que é 100% voltada para o clube. Precisamos de pessoas que pensem o clube o tempo todo. Tem liderança, equipe, remuneração variável, engajamento e tem resultado. É um setor que representa muito bem.

OP - Você assumiu o Fortaleza após oito anos na Série C. Como era a realidade na época e agora?

Marcelo Paz - Hoje, um Fortaleza com bem mais recursos financeiros, mas com despesas muito maiores também. Fortaleza com mais funcionários trabalhando, num crescendo estrutural, com ótima imagem de mercado. Nunca na história o Fortaleza esteve tanto em evidência na mídia. Muito também pelo Rogério Ceni, que atrai holofotes, mas se não tivesse bom trabalho o holofote batia e voltava. O holofote bateu e ficou. O salto foi gigantesco, e acho que cabe mais. São saltos, mas digo que tem ainda muito por fazer. Temos muita coisa pra estruturar.

OP - Quais as principais dificuldades enfrentou no início da gestão?

Marcelo Paz - Primeiro, que tava saindo um milionário e entrando um "liso". Para a torcida, o Marcelo Paz é um liso. O Girão é um milionário, e a torcida disse: "Meu Deus do céu, vai entrar um liso agora, no ano do centenário do clube". As pessoas associam muito o futebol ao dinheiro. Futebol é dinheiro, você tem que ter dinheiro para fazer a coisa acontecer. Só que eu não tinha dinheiro. Eu tinha, e tenho, gestão. O meu ativo principal é a capacidade de gestão. Tinha que transformar essa massa de torcedores em consumidores, em pessoas que acreditassem no clube. Não tenho medo de nada do futebol. Não tenho medo de torcida, não tenho medo do Ceará, não tenho medo de federação, não tenho medo de adversário, não tenho medo de nada. Só tenho medo de não ter dinheiro, porque eu não tenho de onde tirar. Não tenho talão de cheques para chegar no final do mês e completar a conta do Fortaleza. Então o que a gente trabalha aqui é para fazer dinheiro novo, com criatividade, com inteligência, para a gente fazer esse clube autossustentável, como tem que ser. Porque há muita crítica aos "paitrocinadores", e não só aqui. O Fortaleza teve seus ciclos de pessoas que fizeram muito bem ao clube. Santana Têxtil, Ribamar Bezerra, Ney Rebouças, lá atrás, no ano em que nasci. Luís Eduardo Girão. Mas o Fortaleza precisava de um modelo de gestão autossuficiente, a palavra é essa: autossuficiente. Que consiga se gerir e se sustentar com as próprias receitas. Esse era o maior desafio. Havia uma desconfiança muito grande da torcida de que eu não daria conta.

OP - Você sempre busca muita proximidade com o torcedor. Esse perfil é para gerar mais engajamento?

Marcelo Paz - Eu não sou personagem. Aquilo ali sou eu, e eu gosto de ouvir as pessoas. O principal de tudo, em se tratando de futebol, é acreditar na torcida. Porque quem sustenta o Fortaleza é a torcida. É ela que paga todo mês o sócio, que dá uma renda aproximadamente de R$ 1 milhão e 200 mil por mês. É o principal patrocinador. É quem nos incentiva. Tem que ouvir a torcida, entender, pedir desculpas quando erra. Nem sempre estão certos, mas precisam ser escutados. É o meu modo. Acho que o caminho correto é ouvir o torcedor. Cria identificação, cria engajamento, porque é o que faz a diferença em qualquer organização.

OP - Qual o momento que você mais sofreu no clube?

Marcelo Paz - Sem dúvida alguma foi em 2016, depois do jogo contra o Juventude. Eu fui execrado e sofri muito. Me elegeram como culpado. "Ah, o diretor de futebol contratou errado", diziam. Eu andava na rua, as pessoas me encontravam e diziam: "Esse cara fodeu o time". E eu sabia que não tinha sido eu. E na eleição do Jorge Mota, que ele foi eleito de novo, eu não podia chegar nem perto. Se eu tivesse perto da chapa, era capaz de não ganhar. E depois que foi eleito, me dispus a ajudar. Não queria aparecer, só queria ajudar. Acumulei dois anos de experiência, vivi muita coisa no futebol. Algumas pessoas não quiseram, e não foi o Jorge Mota. Ele até confidenciou depois que talvez um dos maiores erros foi não ter me mantido como diretor. O tempo passou e fui cuidar da minha vida. Passei a me dedicar mais à família, a viajar, fazer coisas que eu não conseguia mais. Até que a mesma torcida que me botou para fora em 2016 começou a me chamar de volta em 2017. E muita gente disse: "Não volta. Tá ficando doido? Tu não precisa disso não. Fica aí no teu colégio, tu tá feliz aí". Mas tinha um negócio dentro de mim de que eu tinha que ajudar o Fortaleza. Essa história estava incompleta. Voltei e nós subimos. Então é uma história que teve drama, teve injustiça, ingratidão, erro meu...e me capacitou, com certeza, a estar mais preparado para lidar com tudo isso quando assumi a presidência.

OP - Pensou em desistir?

Marcelo Paz - No fundo, sempre tive o desejo de dar a volta por cima. Acreditava no meu trabalho. Não era só querer. E a caminhada da Série C 2017 foi muito pesada. Vou confidenciar aqui uma passagem. Naquela semana do jogo antes do Moto Club, que se a gente perdesse não ia nem pro mata-mata, eu recebi várias ameaças. De violência física e de que iam depredar o meu colégio se o Fortaleza não passasse de fase. E foi a única vez que pedi para o Eduardo Girão proteção para o meu empreendimento. Eu disse: "Eduardo, ninguém sabe o que pode acontecer, você tem uma empresa de segurança e queria que você botasse uma equipe de segurança lá no colégio". Mas Deus foi tão bom que nos deu a conquista. E com gol do Ronny, que tinha um talento único. Eu já conhecia ele há muito tempo, jogamos juntos na AABB, e falaram que só contratei porque era meu amigo. E durante a caminhada, quiseram demitir o Ronny várias vezes. Não deixei. E ele fez o gol contra o Moto Club, que se não tivesse acontecido, a história seria outra. Talvez nem estivéssemos aqui hoje. Chorei muito naquele dia. Foi o dia em que mais chorei no estádio durante o jogo, quando a gente fez o gol.

OP - Outro que você bancou foi Rogério Ceni, após a perda do Estadual 2017 para o Ceará. Se ele é treinador do Fortaleza hoje é porque naquele momento você sustentou?

Marcelo Paz - Com certeza! Porque se dependesse de muita gente, teria sido feita uma mudança naquele momento. Inclusive de pessoas próximas. Eu banquei mesmo. Usei da autoridade de ser o presidente para tomar a decisão. Essa me marcou muito. O meu celular foi infestado de mensagens "Fora, Ceni". Desliguei o telefone. No outro dia, fiz questão de dizer para todo mundo que não tem mudança. Quando empresário vinha me oferecer treinador, eu ficava era puto.

OP - Teve oferta de outros treinadores ali?

Marcelo Paz - Teve. Empresário, quando vê uma possível brecha, vem em cima. Não é uma crítica, é o trabalho deles. Mas eu não dava nem espaço.

OP - Qual a importância do Rogério Ceni pra que isso tudo esteja acontecendo?

Marcelo Paz - É enorme. Não sei quantificar, mas ele é uma peça fundamental. Eu digo que o Rogério é um presente de Deus para o Fortaleza. Pela figura que ele é. Vencedor, profissional, dedicado, um cara 100% honesto. É muito bom lidar com pessoas honestas, que você sabe que a conduta é reta. Por tudo que ele representa, tem uma importância enorme. Falo isso abertamente e o meu papel é que ele fique com a gente por muito tempo. Porque eu sei que ele ficando com a gente temos boas chances de fazer bons trabalhos.

OP - Como foi o primeiro contato e o começo de convivência com o Rogério?

Marcelo Paz- Eu passei uma semana falando com o Rogério por telefone, e ele me recebeu na casa dele. A gente teve uma afinidade muito boa quando nos encontramos pessoalmente, lá em São Paulo, antes de contratá-lo. Conversamos por cinco horas e foi excelente. Mas claro que a convivência é outra coisa. Quando começamos a conviver, comecei a entendê-lo. A saber as reações, a forma correta de falar, a hora de conversar, de ouvir, de ponderar, de conviver com um cara conhecido como "mito". Mas o mito é humano. Sempre prezamos pelo respeito. Mas nos permitimos também a brincar, descontrair, contar uma piada, conhecer um pouco da vida do outro. Quando acabar a relação profissional, que um dia vai acabar, fica uma relação de respeito e de amizade.

OP - Rogério Ceni é o maior treinador da história do Fortaleza?

Marcelo Paz - Tem que esperar a conclusão do trabalho dele pra ter uma análise definitiva. Ele poderia ser o maior da história quando foi campeão da Série B, e veio mais duas conquistas. Então vamos esperar mais um pouquinho e ver o que ele pode entregar a mais. Ou um poucão. Mas Rogério, sem dúvida alguma, está entre os maiores.

OP - Em conquistas, de títulos, não há quem o supere…

Marcelo Paz - Eu quero que ele ganhe mais! Se ele já for o maior agora, não quer mais ganhar. Deixa ele ganhar mais… (risos). Se consegue uma vaga na Sul-Americana, seria sensacional.

OP - Qual seu maior objetivo hoje no Fortaleza?

Marcelo Paz - Quero sair do clube, provavelmente em 2021, com o Fortaleza na Série A; tendo jogado competição Sul-Americana; auto-suficiente, que já é, mas tem que continuar sendo. E estruturado a nível de Série A. Ainda não temos uma estrutura de Série A. Evoluímos muito, e vamos continuar evoluindo, mas ainda não é como tem que ser. E também com uma categoria de base bem estruturada, revelando talentos para a gente ter retorno esportivo e financeiro.

OP - Quais os próximos passos?

Marcelo Paz - Permanecer na Primeira Divisão. Se a gente estiver na Série A em 2020 e 2021, a probabilidade de tudo isso acontecer é muito maior. É isso que vai dar visibilidade, sustentabilidade financeira, recursos para que as coisas aconteçam.

OP - Marca da sua gestão foi maior aproximação com a diretoria do Ceará. É uma quebra de paradigma. Teve muita resistência no Fortaleza para que isso acontecesse?

Marcelo Paz - Sem dúvidas é uma quebra de paradigma e um exemplo para o mundo inteiro, não só no Brasil. Quem deu esse primeiro passo foi Eduardo Girão, que se aproximou do Robinson (de Castro, presidente do Ceará). Passei a conhecer a diretoria do Ceará. Nós tivemos uma reunião das diretorias. Ninguém sabe disso, tô confessando agora. Com as duas diretorias juntas, quase completas, para tratar da Arena Castelão. Se tivesse uma foto ali, acho que as torcidas endoidavam (risos). Mas foi muito civilizada, alto nível mesmo. Pessoas se conheceram e trocaram ideia pelo bem dos dois clubes e do futebol cearense. Tem e ainda vai ter resistência. Sempre vai ter alguém que vai dizer: "Tá vendo aí, essa união demais de vocês não dá certo". Porque um dia vai ter um conflito, um probleminha, é natural de qualquer convivência. E existe o tradicionalismo, de achar que o Ceará é sempre inimigo. Muita gente pensa assim. Mal sabem essas pessoas que a gente está ali tratando apenas de assuntos dos interesses dos dois.

OP - Qual o grande legado você quer deixar no Fortaleza?

Marcelo Paz - Quero ser lembrado como um cara vencedor e que ouvia a torcida.

OP - O senhor se considera o maior presidente do Fortaleza?

Marcelo Paz - Deixo para as pessoas avaliarem isso. Acho que não é justo que eu faça essa auto-avaliação. Porque aí entraria vaidade, ego, e são características que um gestor tem que deixar longe. Deixo para a torcida, imprensa, quem vive o dia a dia do clube fazer esse julgamento. É mais correto.

Andre Almeida

TAGS