PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

O homem, a próstata e o urologista

24/05/2019 01:36:15
Galeno Taumaturgo Lopes
Médico e fundador do Centro de Atenção à Saúde do Homem (Cash)
Galeno Taumaturgo Lopes Médico e fundador do Centro de Atenção à Saúde do Homem (Cash) (Foto: Acervo pessoal)

A próstata é uma glândula presente no sistema reprodutor masculino que tem a função de melhorar a qualidade do esperma. Pode apresentar, com o passar da idade, alterações que vão desde uma anomalia benigna ao aparecimento de câncer que pode levar à morte. O diagnóstico precoce alcança uma possibilidade de cura que se aproxima de cem por cento.

Numa estimativa atual, o câncer de próstata afeta um em cada oito homens. Esse número pode ser bem maior levando-se em consideração a não notificação adequada de todos os casos. Vale lembrar que para 2019 a previsão é de mais de 2.800 casos de câncer de próstata no Ceará. A primeira na incidência de cânceres no sexo masculino.

Os homens têm, talvez pelo aspecto cultural, uma dificuldade enorme de ir ao médico. "Não tenho tempo", "não estou sentindo nada", esses são os argumentos mais frequentes. Observamos também uma resistência de procurar o médico por receio de uma eventual necessidade de algum tipo de intervenção cirúrgica. Os dois principais exames recomendados são o de sangue, que avalia os níveis de PSA, e o clínico (toque retal).

As mulheres, nesses casos, desempenham papel fundamental na conscientização desses homens. A esposa, uma filha, muitas vezes, "obrigam" a ida ao consultório médico.

Vez por outra, aparecem questionamentos com relação à idade ideal para se procurar um urologista. Antes era depois dos 40 anos com histórico de câncer de próstata na família, atualmente aos 45. Antes era depois dos 45 anos sem história de câncer na família, hoje aos 50.

O urologista, de uma maneira geral, apresenta um papel fundamental na saúde masculina. A consulta urológica, que não se resume ao exame da próstata, faz com que possamos diagnosticar e encaminhar para o especialista, se for necessário, as alterações que muitas vezes não têm relação propriamente com a glândula. É de fundamental importância salientarmos o fato de que o câncer de próstata não apresenta sintomas na sua fase inicial. Por sua vez, há modificações significativas no hábito urinário na fase benigna da doença.

Daí a importância da tríade: o homem, a próstata e o profissional urologista. 

Galeno Taumaturgo Lopes