PUBLICIDADE
Jornal

Olhar amoroso e vigilante sobre si mesmo

Padre Eugênio Paccelli 
Sacerdote jesuíta e mestre em Teologia
Padre Eugênio Paccelli Sacerdote jesuíta e mestre em Teologia (Foto: Divulgação)

Dizem que no Brasil tudo só começa depois do Carnaval. Para nós, cristãos, o tempo é precioso demais para passar sem ser percebido. "Deixa a vida me levar" não é opção de vida do cristão.

A vida é sempre uma travessia. Travessia para o novo e desconhecido. Somos peregrinos, num caminho povoado de desafios que podem atrofiar a visão e nos colocar à margem do caminho, sozinhos, sem encanto e sem sonhos, ou um caminho repleto de sinais que nos impulsionam para frente e preenchem nosso coração de ousadia.

O tempo da Quaresma é para nós, cristãos, tempo privilegiado para retomar o ritmo da marcha, esvaziar as mochilas do supérfluo, reabastecer-nos do essencial, retomar as metas discernidas e assumidas diante de Deus. Já diziam os mais antigos: tempo é questão de preferência. O que dá sentido ao tempo vivido é a atenção que damos ao nosso mundo interior. A maior parte das pessoas vive como se a vida interior não precisasse de tempo, esquecem que a vida de dentro se revela na de fora. A vida interior precisa de tempo para morar no silêncio. Silêncio é mistério, é lugar de entrega e encontro. O tempo da Quaresma nos convida a cuidar da nossa vida interior.

A oração, a esmola e o jejum são as três atitudes mais características do tempo da Quaresma. A oração é adentrar-nos no nosso próprio interior, porque aí se faz ouvir a voz de Deus. O jejum é um "olhar amoroso e vigilante" sobre e para si mesmo, uma tomada de consciência sincera na direção de uma transformação profunda. Tem a finalidade de nos possibilitar a experiência da falta. Descobrir que, além dos alimentos, é o Senhor da vida que nos nutre. O jejum e a sobriedade favorecem a aproximação espiritual a Deus e aos irmãos que sofrem. Diante de uma sociedade que valoriza o ser humano em função do que consome - "consumo, logo existo" - nosso jejum é o grito que anuncia que o ser humano é valioso em si mesmo, porque assim o é para Deus. A oração e o jejum nos capacitam a compartilhar com os outros a generosidade que Deus desperta. E isto tem um nome: esmola. Quanto mais vivemos em Deus, menos somos nós o centro, menos dependentes das coisas e mais receptivos somos aos outros. n

 

Eugênio Pacelli