PUBLICIDADE
Jornal

O Nordeste e a força de sua união

Jarbas Vasconcelos 
Deputado federal e senador eleito de Pernambuco (MDB)
Jarbas Vasconcelos Deputado federal e senador eleito de Pernambuco (MDB)

As crises econômicas, em especial a que enfrentamos hoje no País, desafiam os agentes políticos dos estados a revisitar as formas tradicionais de coordenação regional voltadas à melhoria do bem-estar de sua população.

Numa região como o Nordeste, esse desafio salta aos olhos. Durante os anos de expansão econômica (2004-2013), a região alcançou, em média, crescimento do PIB (4,3% a.a.) superior ao nacional (4% a.a.). A produtividade do trabalho também aumentou quase 30%, acima do País entre 2004 e 2015.

Porém, a defasagem ainda é significativa. Com 28% da população nacional, nosso PIB continua oscilando em torno de 15% do País. A produtividade representa 57% da nacional, sendo especialmente baixa no setor agropecuário, mesmo com a incorporação de novas áreas de agricultura moderna, como o oeste da Bahia e do Maranhão e Piauí.

Se uma década de cenário mais favorável foi insuficiente para uma redução dos desequilíbrios regionais, enfrentá-los num contexto de forte restrição fiscal exige esforços que valorizem as vocações locais e as complementaridades regionais.

O Nordeste já se mostrou capaz disso numa pauta como a transposição do rio São Francisco. Também temos sido capazes de contribuir com a participação de energias renováveis na matriz elétrica brasileira. Podemos, portanto, dar passos similares em outras agendas.

A integração logística é um exemplo estratégico de ganho regional por seu potencial em reduzir custos e atrair novos investimentos em rede. Outros exemplos; a integração ferroviária, tendo por eixos a conclusão em todos os seus ramais das ferrovias Transnordestina e da Fiol (Caetité - Ilhéus); o foco nos gargalos das principais rodovias de integração, como a BR-101 e a BR-116; o impulso à aviação regional fortalecendo assim os polos turísticos e os terminais de carga; o estímulo regulatório à cabotagem, em especial entre os portos de Pecém, Suape e Salvador.

O Nordeste é um dos berços na nacionalidade brasileira. Tem na sua gênese a luz das transformações, rebeldia e a força das mudanças. Ofereceu ao País talentos como os de Joaquim Nabuco, Rachel de Queiroz, Celso Furtado, Jorge Amado, Ferreira Gullar, Aurélio Buarque de Holanda entre outros. Tem passado e o olhar de futuro. Possui lideranças lúcidas e corajosas para seguir construindo sua unidade. O viço da região está no seu conjunto, em uma agenda de consenso em favor do todo. n

 

Jarbas Vasconcelos