PUBLICIDADE
Jornal

Violência, lei da semeadura e Lava Jato

11/01/2019 01:30:00
A lei da semeadura, ou de causa e efeito, é uma regra universal da natureza com força incontestável: você colhe o que planta em todas as esferas da vida, pessoal ou pública. Ao cultivar amor, diálogo e caridade, colhe-se confiança, respeito e compreensão. Lançadas sementes de corrupção e descaso, o retorno será uma sociedade violenta e infeliz.

 

Estamos vivendo uma crise de segurança pública sem precedentes no Ceará. Não cabe apontarmos o dedo para os responsáveis agora. Embora as más sementes provavelmente tenham sido plantadas lá atrás, o momento é de união e de trabalho.

 

Conversei com o governador Camilo no final do ano passado e, mesmo tendo divergências políticas, coloquei-me à disposição para ajudar no que for necessário. Tive uma boa impressão dele, que me transmitiu simplicidade e sensação de ser um homem público bem intencionado. Começou o segundo mandato com enfrentamento ao crime, chamando o policial Mauro Albuquerque para administrar os presídios. Mas o governador terá outros desafios não menos importantes, que exigirão muita coragem para romper com os vícios de uma prática da velha política, a de acomodar aliados rejeitados pelas urnas, usando de subterfúgios, no mínimo, reprováveis.

 

É frustrante ver parlamentares eleitos na "Terra da Luz" anunciados como secretários, deixando a função confiada pelo desejo popular para acomodar, em seu lugar, quem não passou pela prova democrática do voto. Há inclusive quem seja investigado na Lava Jato, sugerindo manobra sombria para blindar colegas através do inescrupuloso foro privilegiado.

 

Por essas e outras, pretendo apresentar uma PEC que vede deputados e senadores a assumirem cargos de ministros e secretários de governo, a não ser que renunciem ao mandato. A medida ajudará a evitar que as funções sejam usadas como moeda de troca.

 

Torço por uma decisão sensata do governador do Ceará. Ainda dá tempo de evitar a consumação do prejuízo moral, já que os parlamentares só assumirão em fevereiro. Esperamos que ele não caia nessa armadilha da má política, mas vá ao encontro da voz das ruas, que bradou por uma mudança com ética e verdade, dando um sonoro não aos conchavos que envergonham o povo. A lei da semeadura está cada vez mais implacável nestes tempos e o que plantamos é colhido antes do que imaginamos.

 

Eduardo Girão 

eduardogiraooficial@gmail.com

Senador eleito pelo Pros

TAGS