PUBLICIDADE
Jornal

Construção pesada pede socorro

01/02/2019 03:57:19

A possibilidade de que 30% das 18 empresas afiliadas ao Sindicato da Indústria da Construção Pesada do Ceará (Sinconpe-CE) fechem as portas, este ano, caso não forem tomadas iniciativas por parte do governo federal para reativar o setor, foi a notícia mais impactante, em termos locais, ontem. A preocupação, porém, é mais extensa, pois a construção pesada consome insumos que vão de minerais a maquinários, e sua retração impacta negativamente na geração de emprego e renda em diferentes setores da economia.

No caso do Ceará, a construção pesada - que já teve 7% de participação no PIB estadual - sofreu os impactos da retração da economia brasileira. As obras federais de grande porte, no Estado, são poucas e todas estão atrasadas por falta de verba. Um dos exemplos é o Anel Viário de Fortaleza cujos serviços já duram quase dez anos. Para sobreviverem, as empreiteiras cearenses têm-se agarrado a projetos de construção de estradas estaduais, que receberam aporte do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

Mais: o setor tem-se deparado com a oneração crescente da produção, decorrente da variação do preço do cimento asfáltico de petróleo, reajustado a cada 15 dias, para atender à nova política de preços da Petrobras, vinculada agora aos preços internacionais. O governo brasileiro tem preferido, ao invés de se refinar o petróleo encontrado, agregando-lhe valor, exportá-lo na forma de óleo cru e facilitar a proliferação de empresas importadoras. Estas, para manter margens de lucros atrativas, estabelecem em contrato a paridade com os preços aplicados pelo mercado internacional.

Os preços baseados no dólar impactam diretamente os custos da produção do asfalto, insumo imprescindível da indústria da construção pesada. Ademais, o setor foi um dos que mais sofreram com o desmonte das grandes empreiteiras, a partir do surgimento dos escândalos revelados pela Operação Lava Jato. Esta poderia ter punido as empresas envolvidas em irregularidades, sem levá-las à falência, salvaguardando empregos e tributos, como fazem países desenvolvidos quando se deparam com crimes semelhantes.

Os empresários esperam que o novo governo retome as obras públicas paralisadas e faça novos investimentos no setor. Por óbvio, há de se levar em conta a crise pela qual passa o País, não havendo, portanto, recursos disponíveis para aplicar em todos os segmentos. No entanto, há de se levar em conta que a recuperação dessa indústria trará impacto virtuoso em outras áreas, devido aos diversos tipos de insumo utilizados na construção pesada. Assim sendo, haveria a retomada da produção em vários outros setores industriais, contribuindo para redução do desemprego. n

TAGS