PUBLICIDADE
Jornal

Futuro com ousadia

Iniciado um novo ano é sempre bom repensarmos nossa trajetória e planejarmos os próximos passos. Onde estamos? Para onde queremos ir? Que salto queremos dar? Porque essa visão nos leva ao compromisso com mudanças significativas, com metas claras, sendo o farol a iluminar nosso futuro.

Sinto falta de metas ousadas que possam gerar uma transformação social significativa.

Há poucos dias, ouvi o secretário de Segurança Pública falar na meta de reduzir em 7 por cento o número de homicídios no Estado. Parece que falta coragem de assumir uma transformação maior, de mais impacto. É melhor fracassar numa meta desafiadora do que tornar medíocre a meta só para ser cumprida com facilidade.

A mim, parece pertinente reduzir em pelo menos 50 por cento o número de homicídios; buscar aproximar de zero o número de jovens fora da escola, reduzindo a evasão escolar; conviver com realidades crônicas que desafiam todos nós, em especial, os governantes.

Devem ser estabelecidas metas que, se alcançadas, façam a diferença para o povo cearense, que visem conduzir o nosso Estado a um novo patamar, quebrando paradigmas.

O Ceará tem um dos mais altos níveis de pobreza do País, de violência e de baixos salários. Segundo informações recentes disponibilizadas pelo IBGE, divulgadas pelo
O POVO no último dia 14 de dezembro, as 116 cidades cearenses mais pobres somam um PIB que representa apenas 9,91% do valor total da economia cearense. Não é razoável convivermos com realidades crônicas sem nos propormos a mudanças radicais.

Precisamos, com urgência, aumentar nossa produtividade para sermos mais competitivos e gerar valor, gerar trabalho e, assim, maior inclusão social e maior inserção na economia nacional e internacional. Somente trilhando esse caminho, podemos buscar a grande meta: que cada cearense possa viver com dignidade. Para isso, precisamos superar a gritante exclusão e a baixa qualidade dos serviços públicos e gerar um ambiente de empreendedorismo para favorecer cada trabalhador, cada família cearense. n

Carlos Matos

TAGS