PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Pensamento progressista

01:30 | 06/12/2018
Há políticos e analistas sociais que confundem pensamento progressista com populismo e demagogia. O vanguardismo na política significa pensar um modelo de organização econômica e social que proporcione um real desenvolvimento de vida para todos, com base na liberdade, no trabalho e na justiça.

 

Acreditou-se, até então, que o pensamento progressista no Brasil havia sido empalmado pelo PT e outras siglas da esquerda. Assim é que, políticos de ideologia pouco consistente, criados até mesmo no colo de partidos de centro e de direita, resolveram migrar para a periferia do PT, a fim de adquirir a áurea de progressista e defensor dos desassistidos. Assim fez o MDB, quando aderiu aos governos petistas.

 

Observou-se, porém, desde o início das investigações do Mensalão, em que Joaquim Barbosa condenou à prisão nove réus ligados ao governo do PT, que o Partido dos Trabalhadores não detinha o pensamento progressista como antes se pensava. Com o aparecimento da Lava Jato, a farsa do vanguardismo petista tornou-se patente, ficando óbvio o que o PT e o lulismo pensam acerca do progresso sócio-político dos menos favorecidos.

 

As ações políticas apoiadas por Lula e, depois, por Dilma, embora pudessem ter tido um tom de vanguarda, foram, na realidade, medidas de cunho estritamente eleitoreiro e voltadas para o objetivo de perpetuação do partido no poder. Assim, a negação, hoje, de quase todo esse aparato político implantado pelo PT não significa, necessariamente, uma "agenda retrospectiva aos piores e mais obscuros tempos da Idade Média", conforme assegurou Ciro Gomes, mas uma afirmação de que a corrupção e a mentira não ajudam na redenção dos pobres nem no desenvolvimento do País.

 

O futuro governo está sendo organizado com o objetivo de reerguer o Brasil que foi destruido pelo dito "pensamento progressista". Cabe, agora, retomar o crescimento, reduzir o desemprego, continuar o combate à corrupção e acudir os menos favorecidos, de maneira honesta e educativa. Os pobres não deverão perder o ideal de um futuro promissor a ser conquistado com o trabalho e a liberdade.

 

Pedro Henrique Chaves Antero  

phantero@gmail.com

Professor de Ciências Políticas