PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Habemus humor!

01:30 | 07/12/2018

Sabe aquele ditado: "O muito riso é sinal de pouco siso"? Considero "muito paia". Um equívoco, a meu ver, achar que rir muito é mostra de que se tem pouco juízo. Ao contrário. Rir, fazer rir e saber rir (mangar) da gente mesma e dos outros é terapêutico, valioso, diante da coisa ruim que ronda. Rir previne da loucura que a seriedade do dia a dia impõe. Quando se trata de "se abrir" das coisas, coisa de cearense, aí é que a risadagem ganha corpo e sentido. "Achamento de graça" é santo remédio contra deprê.

 

Como bom cabeça-chata, da terra de Quintino Cunha e Paula Nei, vejo no bom humor do cearense um traço único (espirituosidade) que nos diferencia do que há mundo afora. De tudo fazemos comédia, até da própria morte. Em qualquer roda de amigos, pode ter certeza, há um gaiato contando piada, frescando com a cara do outro, exagerando em tudo que fala, botando apelido na sogra. Não tem quem não ria, e se arrombe de rir, até cair de costas. É doido? Não, apenas deu valor à anedota. É porque o sujeito está variando? Negatofe!

 

Afinal, quem tem um Bode Ioiô e um Cajueiro da Mentira (Cajueiro Botador) na história, será capaz de vaiar o sol. Sim, era o ano de 1942, dia 31 de janeiro, quando uma ruma de gente se juntou em torno da Coluna da Hora, na Praça do Ferreira, e lascou a vaia no astro-rei, tudo porque ele se meteu a besta e apareceu quando deveria chover. Nesse clima, na praça dos grandes acontecimentos históricos locais, na abertura da Semana Branca (dia 22/9), senti a responsabilidade de ser cearense, com respeito a esse departamento - a molecagem. E eu, no pé da dita Coluna da Hora, a pensar. Solzão lá em cima...

 

Bem antes da notícia de que o Bode Ioiô seria tema de samba-enredo de escola do Rio de Janeiro no ano que vem, eu já apresentara na Câmara um Projeto de Lei que considera o animal-símbolo da molecagem cearense Patrimônio Material do Município, por força de suas expressões culturais que passam de geração a geração, gerando sentimento de continuidade e identificação popular.

 

E já que algures e alhures há semana disso e daquilo, dei entrada em projeto que cria a Semana do Bode Ioiô e das outras providências, entre elas: riso muito é sinal de muita catilogência - categoria com inteligência.

 

José Barbosa Porto jbportim@gmail.com

Vereador, presidente da Comissão de Saúde da Câmara Municipal de Fortaleza