PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Editorial. Uma "limpa" tardia

01:30 | 12/07/2018

Com a nomeação do novo ministro do Trabalho, Caio Vieira de Mello, é forçoso lembrar como questões, que deveriam ser prioritariamente técnicas, transformam-se em disputas meramente politiqueiras, que interessam somente aqueles poucos que serão beneficiados pelos acordos espúrios que antecedem as nomeações.

Não se fala exatamente do novo ministro, mas de um método espúrio que se tornou comum na administração pública: nomeações que levam em conta exclusivamente o interesse de grupos, verdadeiros proprietários privados de atividades que deveriam ser meios para atender às necessidades públicas.

Ressalte-se que a distribuição política de ministérios, secretarias e outros postos importantes, não é exclusividade de um ou outro governante ou partido político. Todos se valem do mesmo jogo, sob os mais diferentes argumentos, nenhum deles aceitável, quando se observam os péssimos resultados desse artifício.

Vejam com a coisa transcorre. O ministro do Trabalho anterior, Helton Yomura, pediu demissão do cargo depois de ser afastado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) por suspeita de ligação com um esquema criminoso, que exigia suborno para a liberação de registros sindicais. Segundo a Polícia Federal, Yomura foi indicado para assumir o Ministério justamente para manter a fraude, supostamente liderada por seus fiadores políticos, o presidente nacional do PTB, Roberto Jefferson, e a filha dele, deputada federal Cristiane Brasil (PTB-RJ).

Yomura apresentou seu pedido de demissão após Jefferson anunciar que o seu partido colocara o cargo à disposição do presidente Temer.

Ou seja, o PTB era o “dono” do Ministério e dispunha dele da forma mais adequada aos seus propósitos. Registre-se que, antes da nomeação de Yomura, o presidente do PTB tentara emplacar a própria filha como ministra, que foi impedida judicialmente de assumir, pois respondia a processos trabalhistas. Observe-se que não se está falando de um ministério de segunda linha, desprovido de recursos. O titular do Trabalho movimenta um orçamento de R$ 85,7 bilhões.

Advogado e desembargador aposentado, Vieira de Mello era sócio de Guiomar Mendes, mulher do ministro do STF Gilmar Mendes, em um grande escritório de advocacia em Brasília, até a véspera de assumir o cargo. Ele prometeu fazer uma “limpa” no Ministério devido às suspeitas de irregularidades. O novo ministro também insistiu que a sua nomeação foi “técnica”. Não há porquê duvidar, mas nomear um técnico a seis meses do fim do governo, talvez seja um pouco tarde demais para fazer as mudanças necessárias.