VERSÃO IMPRESSA

Escolas sitiadas

01:30 | 05/02/2018

Há não poucos dias um clima de medo ronda Fortaleza. Depois do massacre, manifestações. Sinais do enraizamento da violência estão por toda parte %u2013 nas ruas, nos sinais de trânsito, nas cercas de arame farpado. E agora rondam nossas escolas. As ameaças recentes em pichações que imitam sangue são sinais de uma patologia física e simbólica que não podemos tolerar.

A escola é lugar por excelência de proteção à infância. Porque elas existem, pais e mães, cotidianamente se deslocam ao trabalho com tranquilidade, cientes de que seus filhos estão em segurança. Toque de recolher; ameaças de morte a professores; ocupação pela PM. Tudo isso assusta e rompe a paz social.  

A literatura ensina que novas políticas públicas são propensas a surgir em situações de crise. Cataclismas naturais, crises sociais e outros motivos que rompem o equilibrio das formas de convivência humana são situações propícias à mudança. Eliminar a violência no Ceará requer um novo pacto social. Impossível? Claro que não.  

A colaboração é um dos traços predominantes na inovação e sucesso de políticas públicas. O Ceará desde há muito aprendeu a colaborar na educação. Por isso mesmo, soubemos dar ao Brasil uma lição de cidadania ao instituir o Pacto pela Erradicação do Analfabetismo Escolar que resultou na acertada política de Alfabetização na Idade Certa.  

Se aprendemos a colaborar na educação, por certo seremos capazes também de instituir uma política capaz de garantir segurança social, em especial, dos mais vulneráveis, sobretudo crianças e jovens. O Ceará Pacífico e as Escolas de Paz indicam caminhos para a definição de uma nova agenda. Esta, entretanto, requer um amplo consenso, onde Estado e Sociedade sejam capazes de exercer o diálogo em novas bases. Do mesmo modo, no âmbito das diferentes esferas de governo, políticas intersetoriais podem e devem colaborar. Vamos dar um basta na violência. A hora é agora.

 

Sofia Lerche sofialerche@ hotmail.com Professora da Uece e pesquisadora visitante do Lemann Center-Stanford  

TAGS