VERSÃO IMPRESSA

Graça Martins: Tradicional Folia de Reis

01:30 | 06/01/2018

“...Aqui estamos em vossa porta. Em figura de raposa. Não viemos pedir nada. Mas o dar é grande coisa! Senhora dona da casa. Abra a porta, acenda a luz. E nos dê a santa esmola. Dê em nome de Jesus...”.


O Dia de Reis é uma tradição cristã comemorada no dia 6 de janeiro, em que se celebra a visita de três Reis Magos, vindos de lugares distantes e distintos, trazendo em sua bagagem presentes para ofertar ao menino Jesus. Eles foram guiados por uma estrela até chegarem ao local, segundo consta no Evangelho de Mateus.


Os Reis Magos não tiveram o mesmo ponto de partida para a visita ao Messias. O rei Belchior veio, talvez, da Europa. Segundo a tradição, era o mais velho e ofertou ouro ao Menino, como símbolo de realeza, oferenda destinada somente aos deuses. O rei Gaspar era moço de vinte e poucos anos. Teria vindo da Índia e presenteou Jesus com incenso, que era oferecido aos sacerdotes, como símbolo da fé e espiritualidade. Baltazar, que teria características mouras, veio supostamente da África, de onde trouxe a mirra, resina antisséptica usada para o embalsamento e que simbolicamente, representava a imortalidade.


Com o intuito de resgatar a ação dos três Reis Magos as pessoas passaram a comemorar a Folia de Reis, festa de cunho religioso e de caráter folclórico, conhecida também como Reisado, realizada entre o período de Natal e o Dia de Reis. Manifesta-se por meio de grupos que saem às ruas cantando e tocando músicas, enquanto levam as bênçãos do Menino aos lugares onde são recebidos. Esse grupo é normalmente composto por um mestre, contramestre, coro, os três Reis Magos, palhaço, bandeireiro, festeiro e foliões. O dia 6 de janeiro também é a data em que desmanchamos todos os nossos presépios, árvores e enfeites natalinos.


A Folia de Reis tem grande importância para nossa Cultura, por ser uma manifestação tradicional secular. Continuar essa tradição é garantir que essa festa popular brasileira se perpetue pelas próximas gerações, é eternizar a nossa memória e história.


Eles foram guiados por uma estrela até chegarem ao local, segundo consta no Evangelho de Mateus. 

 

Graça Martins

groumartins@yahoo.com.br
Gerente da Célula de Patrimônio Imaterial da Secretaria da Cultura de Fortaleza (Secultfor)

 

 

TAGS