VERSÃO IMPRESSA

Sânzio de Azevedo: "Tibúrcio de Freitas num livro raro"

Luís Tibúrcio de Freitas nasceu no Ceará, não se sabe se em Cascavel ou em Baturité, em data ignorada

01:30 | 26/12/2017

Tendo visto, no Panorama do Movimento Simbolista Brasileiro (1952), de Andrade Muricy, alusão ao romance Fretana, de Carlos D. Fernandes (1875-1942), poeta e jornalista paraibano que viveu no Rio, e sabendo haver nele dados sobre o Simbolismo, procurei-o pelos sebos da ex-Capital, até encontrá-lo. Publicado em 1936, é curioso observar que esse livro, que fala entre outras coisas da morte de Cruz e Sousa, apresenta o autor-narrador como Frederico Pestana (daí o nome Fretana), mas todos os demais personagens, todos reais, surgem com seus nomes verdadeiros, como Felinto de Almeida, Júlio César da Silva, José do Patrocínio e, naturalmente, Cruz e Sousa e outros.


O narrador é apresentado ao poeta dos Broquéis por um colega dos Correios, Tibúrcio de Freitas. O quarto onde moram três amigos é chamado de “O Antro”, e esses amigos eram o desenhista Maurício Jubim (que ilustrou livros simbolistas), Carlos D. Fernandes e Tibúrcio de Freitas, o cearense que, na Padaria Espiritual, em 1892, tinha o “nome de Guerra” Lúcio Jaguar.


Cruz e Sousa encontra-se com os amigos na rua do Ouvidor, em frente ao Jornal do Comércio, mas sempre vai ao quarto aludido, onde lê seus poemas recentes. Diz o narrador que todos o ouviam silenciosamente, mas acrescenta: “Apenas o Tibúrcio se permitia a liberdade de sugerir substituições no emaranhado daqueles lavores. Tendo em grande conta e maior estima a sutileza crítica do seu confidencial amigo, Cruz aceitava e cumpria os reparos, com a mais agradecida naturalidade.”


É curioso esse depoimento pelo fato de Tibúrcio de Freitas, que não deixou livro e pouco escreveu n’O Pão, órgão da Padaria Espiritual, não ser dos “padeiros” mais destacados.


Luís Tibúrcio de Freitas nasceu no Ceará, não se sabe se em Cascavel ou em Baturité, em data ignorada, e veio a falecer no Rio de Janeiro, no dia 8 de abril de 1918.


Para que fique aqui ao menos um trecho da prosa de Tibúrcio de Freitas, abro o nº 3 d’O Pão, de 30 de outubro de 1892 (numerado como 2), e reproduzo trecho de seu artigo “O Parque da Liberdade”:


“A sensação que se tem indo ao Parque não é lá muito aperitiva e refrigerante, não. Seria o mesmo que sentiríamos se atravessássemos um pedaço de floresta devastada por um incêndio. Vivem ali apenas os capins entouceirados, uma ou outra árvore de decoração, as boas noutes solitárias, as parasitas e ervas maninhas de todos os gêneros.”


E só...

 

Sânzio de Azevedo

sanziodeazevedo@gmail.com

Doutor em Letras pela UFRJ; da Academia Cearense Letras

 

 

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS