PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Pedro Sisnando Leite: "Encontro de católicos com responsabilidades políticas"

01:30 | 01/12/2017
Falando sobre o amor cristão, disse o sumo Pontífice Bento XVI: “A sociedade justa não pode ser obra da Igreja, deve ser realizada pela política. Mas, como ao mesmo tempo é uma tarefa humana primária, a Igreja tem o dever de oferecer sua contribuição específica para que as exigências da justiça se tornem compreensíveis e politicamente realizáveis”. Tais orientações serão analisadas em diálogo com todos aqueles que se preocupam seriamente com o ser humano e com o mundo. Devem participar pela via da argumentação racional e despertar forças espirituais sem as quais a justiça não pode prosperar (Deus Caritas est). A justa ordem da sociedade e do Estado é dever central da política, e esta é de natureza ética. Neste ponto, política e fé tocam-se. O papa nos indica com isso a importância da vida política e a necessidade da ação dos católicos na mesma.

O Conselho Episcopal Latino-Americano (Celan) e a Pontifícia Comissão para a América Latina realizam, de 1º a 3 de dezembro, um Encontro em Bogotá (Bolívia) com a presença de parlamentares dessa região para darem continuidade aos debates desenvolvidos na V Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano e do Caribe realizada em Aparecida (Br), em 2007. O Ceará está presente com a participação do deputado Carlos Matos (PSDB), sendo convidado especial entre os 70 parlamentares escolhidos pela Pontifícia Comissão para a América Latina.

O pensamento dominante dessa iniciativa está na proclamação do papa Francisco, que tem ressaltado que “a política é uma das formas mais elevadas da caridade, porque serve ao bem comum”. O Encontro de Católicos com Responsabilidades Políticas propõe-se, também, a estudar as formas mais eficazes de modalidades, estímulos e forças nas questões de dirigentes políticos entre os católicos.

Conclui-se, portanto, que na realidade deste continente há uma notável ausência, no âmbito político, de vozes de líderes católicos que sejam defensores da doutrina social da igreja. A pobreza aguda, a exclusão social e o relativismo ético também são preocupações que precisam dos compromissos dos políticos católicos.

 

Pedro Sisnando Leite

sisnando.social@terra.com.br

Economista e professor da Universidade Federal do Ceará (UFC)