VERSÃO IMPRESSA

Editorial: "O financiamento para pesquisa no Ceará"

Conquistas e avanços recentes feitos por instituições de ensino superior decorrem de estudos financiados por bolsas do tipo

01:30 | 15/12/2017

Edital para 1.800 bolsas de iniciação científica para graduação, mestrado e doutorado. Além disso, duas mil bolsas de R$ 450 para universitários de baixa renda de instituições públicas do Ceará – as chamadas Bolsas Sociais. Foi o anunciado pelo Governo do Estado para fomentar o desenvolvimento científico e tecnológico do Estado.


As bolsas de mestrado e de doutorado são voltadas a estudantes que cursam programas de pós-graduação stricto sensu em universidades que têm atividades de pesquisa em cursos credenciados pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes) no Ceará. Assim, impactam de modo direto no nível de excelência que as instituições de ensino superior têm atingido, haja vista a dedicação, a competência e o empenho que são postos na pesquisa.


No fim do mês de novembro, uma notícia surpreendeu negativamente os pesquisadores locais – por falta de verba, 750 bolsas acadêmicas, de iniciação científica, não haviam sido renovadas no Ceará. Devido à carência de recursos provenientes do Governo do Estado, as bolsas da Fundação Cearense de Apoio ao Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Funcap) foram cortadas, deixando os cientistas apreensivos quanto ao futuro das pesquisas em andamento e da continuidade dos trabalhos – uma inquietação que poderia ter sido evitada com um planejamento bem feito e com a colocação da pesquisa local em um patamar mais prioritário, visto que os resultados que dela decorrem impactam em praticamente todas as demais áreas de nossas vidas.


O Governo tenta corrigir essa problemática com o anúncio do edital de 1.800 bolsas para o ensino superior. Louvável o incentivo, mas que seja constante e que não se perca pela falta de projeção à inovação no Estado. Conquistas e avanços recentes feitos por instituições de ensino superior decorrem de estudos financiados por bolsas do tipo. A motivação para quem faz pesquisa e lida dia a dia em produzir resultados relevantes para a ciência não deve depender da (in)constância do financiamento.


ADRIANO NOGUEIRA

TAGS