PUBLICIDADE
Jornal

Lauro Chaves Neto: É impossível haver justiça no Brasil sem haver redução da desigualdade

Surge uma polêmica se houve ou não redução da desigualdade concomitantemente com a redução da pobreza

10/10/2017 01:30:00

O Brasil de hoje é muito diferente daquele de duas ou três décadas atrás; desde lá, houve uma forte e saudável redução da pobreza. Pode-se dizer que, na nossa história recente, passamos por três grandes ciclos de queda no número de brasileiros em situação de pobreza: o primeiro ocorreu com a transição democrática/Plano Cruzado; o segundo, com a estabilidade econômica pós-Plano Real de FHC e o terceiro, com as políticas inclusivas de Lula.


Surge uma polêmica se houve ou não redução da desigualdade concomitantemente com a redução da pobreza no Brasil. Os dados do IBGE mostram que, sim, no Brasil pós-real, a parcela da renda apropriada pelos 10% mais ricos havia passado de 46% para 41%, a dos 50% mais pobres crescera de 14% para 18%, e a da classe média de 40% para 41%. O estrato dos 1% brasileiros mais ricos possui 28% da renda nacional, em comparação com 20% nos EUA e 11% na França.


A redução da pobreza simultaneamente com a da desigualdade era atribuída principalmente à estabilidade, à elevação real do salário mínimo com FHC, Lula e Dilma, e ao aumento da escolaridade da força de trabalho. Porém, essa redução da desigualdade, que já era questionada anteriormente, com a liberação de uma base de dados da Receita Federal e mais recentemente com a divulgação de pesquisa da Escola de Economia de Paris, sob a orientação de Thomas Piketty, autor de “O Capital do Século XXI”, recebeu um grande reforço.


Esses dados mostram que a desigualdade no Brasil é muito maior do que se imaginava, com gigantesca concentração de renda no topo da pirâmide social. Os 10% mais ricos possuem 55% da renda nacional, enquanto os 50% mais pobres apenas 12%; e a classe média, 32%. A renda aumentou nos dois extremos da sociedade. Houve redução na desigualdade no mercado de trabalho, porém ela foi compensada com um crescimento mais que proporcional no ganho de capital dos ricos.


É salutar que o combate à pobreza, principalmente à pobreza extrema, seja uma das prioridades das políticas públicas, mas só teremos um país justo com a redução do abismo das desigualdades hoje existentes. E não tem como fazer isso sem tratar da concentração de renda no topo da sociedade.

 

Lauro Chaves Neto

lchavesneto@uol.com.br

Presidente do Conselho Regional de Economia, consultor, professor da Uece e doutor em Desenvolvimento Regional pela Universidade de Barcelona

 

Adriano Nogueira

TAGS
NULL