PUBLICIDADE
Jornal

Roberto Macêdo: "Reforma ou farsa?"

23/08/2017 01:30:00
O menosprezo pela opinião pública por parte dos parlamentares brasileiros chega a um novo patamar com uma verdadeira farsa que está sendo chamada de Reforma Política. Em vez de uma proposta de mudança profunda na arquitetura do sistema político que sabidamente não atende aos anseios da sociedade, o que se vê é um conchavo montado por aqueles que estão implicados em várias denúncias de corrupção no País, com o intuito de facilitar suas reeleições e preservar suas imunidades.

 

São muitos os pontos que agridem a moralidade no que está sendo feito no Congresso Nacional. A inclusão na pauta de discussões de propostas como a da volta das doações ocultas demonstram a intenção de esconder da sociedade a identidade de grandes doadores, certamente interessados em obter privilégios por meio dos candidatos que financiam.


Neste mesmo sentido de possibilitar volumosas doações, que costumeiramente estão ligadas a interesses escusos, chegou-se ao absurdo de cogitar a ampliação de dez para até cinquenta por cento o limite da renda no ano anterior ao da eleição, da pessoa física que se decida a contribuir. Não se pode imaginar como razoável que alguém contribua com a metade da sua renda anual para uma campanha política.


Além dessas medidas de pouca transparência e muita ambição arrecadatória, há a pretensão de muitos congressistas de criar um fundo eleitoral para financiar candidaturas, ampliando para valores bilionários o atual recurso de R$ 870 milhões do Fundo Partidário, tornando evidente que parlamentares deste tipo estão preocupados é consigo, e não com o nosso país.


Estas atitudes vêm na contramão do que a classe política precisaria estar fazendo para reconquistar a confiança da sociedade. Afinal, já não é mais apenas um sinal de alarme quando 96% dos eleitores brasileiros não se sentem representados pelos que estão exercendo mandatos eletivos, segundo pesquisa do Instituto Ipsos, publicada neste O POVO no dia 14 deste mês.


A decepção dos brasileiros com os políticos é muito grave, tendo afetado até sua percepção sobre o valor da democracia, pois, de acordo com a mesma pesquisa, apenas metade da nossa população considera esse sistema o melhor para governar o Brasil. Evidente que esta avaliação decorre de uma distorção produzida seguramente pela indignação das pessoas com o mau comportamento de muitos políticos e com o descaso de governantes em relação a muitas questões que afetam a vida cotidiana.


Diante de tudo isso, é inquietante observar-se a letargia em que caiu a sociedade. Ficamos assistindo a esse vergonhoso espetáculo sem usar nossa capacidade de pressionar aqueles que já não nos representam. Está mais do que na hora de darmos um basta nessa farsa. 

 

Roberto Macêdo

roberto@pmacedo.com.br

Empresário

 

Adriano Nogueira

TAGS