PUBLICIDADE
Jornal

Pedro Henrique Saraiva Leão: "Senectude"

23/08/2017 01:30:00
Não mencionaremos aqui os radicais livres, os dendrímeros, ou o encurtamento dos telômeros (sobre os primeiros consultar “Quem tem medo de câncer”, O POVO, 26/X/2016). Contudo, contemplando o envelhecimento, impõe-se-nos começar citando Seneca (Lucius Annaeus), para quem “Senectus enim insanabilis morbus est”: A velhice é realmente uma doença insanável. E Cícero (Marcus Tullius) aconselhava lutar contra a senescência, qual doença. A tecnologia vem contrariando essas gnomas (sentenças), e a senectude não é mais tão incurável. Para o dr. Ronan Factora, geriatra da Cleveland Clinic (EUA), “nunca estaremos velhos demais para manter o bem-estar do corpo” (revista Time, fev-mar, 2015), conceito subscrito pelos porvirólogos, estudiosos que perscrutam o amanhã.

Assim, Ray Kurzweil prevê vida eterna tecnicamente possível após 2029, a que aludimos em “Transhumanismo”, (6/XI/2013), e há pouco (2/4/2017), em Folha de S. Paulo. Tais premonições (pressentimentos) nos lembram, da Literatura, Gilgamesh, e FranKenstein, na sua ânsia de amortalidade. Há um século e meio a expectativa de vida era apenas 37 anos. Em 1925, medidas sanitárias elevaram-na para 59; nos trinta anos seguintes vacinas nos tornaram setuagenários. Trintanos depois, a prevenção das cardiopatias, e a redução do tabagismo nos acrescentaram mais um lustro (5), e em 2015, alcançamos os atuais 79.


A partir de 2045, especula-se atingiríamos a média de 81 anos (sugiro ler/reler, neste jornal, “2045”, de 23/3/2013, e artigos de 30/1/2013, e 15/2/2017). Sabemos que, além do acidente vascular cerebral (AVC), das moléstias respiratórias, renais, hepáticas, e do diabetes, letais podem ser também o câncer, as cardiopatias (malgrado os “stents” e “by passes”), os males imunológicos e degenerativos, como o de Alzheimer. E temos como riscos exponenciais (maiores) para os morbos (enfermidades) cardíacos, o colesterol elevado, a hipertensão, e a obesidade.


Respeito à nossa natural, inata morbidade (chance de adoecer), atua em silêncio a inflamação – não aguda (calor/rubor/tumor/dor), mas sua variedade crônica, subclínica, pauci-sintomática (com poucos sintomas), presente nas artrites, na asma, nas alergias, e até nas gengivites persistentes, promovendo depósitos arteriais de colesterol.


Seria outro tema acerca da “Lebensabend”, a tarde da vida, como dizem os alemães, na sua exatidão vocabular. Ali abordaríamos, outrossim, os efeitos nocivos do estresse, recôndito inimigo nosso. Hodiernamente (hoje) preocupam-se por igual os cientistas com a reversão da senilidade. Resultados animadores desafiam o inexorável (inflexível) curso dos órgãos e sistemas humanos.


Em obediência à brevidade, apontamos tão somente o que ocorre nos pulmões, no coração, e nos rins. A função respiratória decai 1% ao ano nos trintenários; as paredes cardíacas endurecem entre as 20ª e 30ª décadas, e sem sintomas/sinais aparentes, o trabalho renal diminui em torno dos 50 anos.


“Ergo” teríamos mais tendências para morrer do que para a vida! Portanto, sejamos como os latinos (Horacio): “Carpe diem quam minimum credula postero” (aproveitemos o dia confiando o mínimo no futuro). Enquanto vivos, vivamos. Apenas durar, não. 

 

Pedro Henrique Saraiva Leão

pedrohsaraivaleao@hotmail.com

Médico; professor emérito da UFC; titular das Academias Cearense de Letras,de Medicina, e de Médicos Escritores

 

Adriano Nogueira

TAGS