PUBLICIDADE
Jornal

Renato Abê: "O querer de Silvero"

11/07/2017 01:30:00

 

Quando li no Twitter, ano passado, a confirmação da própria Glória Perez de que Silvero Pereira estaria na nova novela das nove, me enchi de orgulho pelo artista cearense. Porém, por ter acompanhado outras novelas da autora, logo veio a desconfiança: será que esse grande ator será subutilizado? Glória é conhecida por novelas com muitos personagens e pouco aproveitamento dos atores - um exemplo marcante é o de Vera Fisher, que foi quase figurante em Salve Jorge.


A estreia de A Força do Querer foi chegando e na sinopse constava que Silvero daria vida ao motorista Nonato, que ao longo da trama se revelaria Elis Miranda, uma artista transformista. O pé atrás falou mais alto de novo: e se Glória se esquecer de desenvolver essa trama e tentar resolver de jeito apressado como fez com Thammy Miranda também em Salve Jorge? Mas, passados três meses de novela, me dou conta de que me enganei completamente. Ainda bem.


Nonato/Elis está se tornando um dos principais pilares da trama. Mesmo quando o episódio foca nos dilemas dos protagonistas (que, a propósito, estão bem desenvolvidos), a novela dá um jeito de garantir Silvero em cena. No capítulo do último dia 6, por exemplo, o drama de Bibi (Julian Paes) estava em alta com a fuga do marido dela da cadeia. Uma cena, porém, que não durou nem um minuto, mostrou Elis sendo alvo de transfobia na rua. E, pronto, ali foi o momento mais impactante daquele capítulo. É como se a autora soubesse que o público não quer passar muito tempo sem o carisma de Silvero em cena.


O cearense parece ter liberdade de levar todo o pajubá (“linguajar LGBT”) para a cena. Não num estilo Crô, que dizia gírias mais engessadas do que o apresentador Dudu Camargo. Ouvir Elis é ouvir as amigas conversando ali na Pracinha da Gentilândia. Os bordões da personagem são divertidos e, assim, ela está equilibrando riso e drama com muito talento.


É importantíssimo ver os assuntos que Elis levanta na boca do público da novela. É bonito que seja um ator que pesquisa o universo trans há 17 anos. É bom de assistir, porque há uma atuação potente. A novela é um sucesso de audiência (está chegando perto de Avenida Brasil) e o querer do Silvero de estar ali tão inteiro diante das câmeras é um dos maiores responsáveis por isso. Elis Miranda é um marco para a TV, para a causa LGBT e para a arte cearense.  

 

Renato Abê
renatoabe@opovo.com.br
Jornalista do O POVO

Adriano Nogueira

TAGS