PUBLICIDADE
Jornal

Naiana Pontes: "A importância de escolher uma boa colônia de férias"

11/07/2017 01:30:00


Julho, mês das férias escolares, significa folga para as crianças mas, nem sempre, para os adultos. Com os filhos passando mais tempo em casa e, muitas vezes, sem uma atividade interessante para realizar, os pais, que continuam trabalhando, ficam preocupados com esse período ocioso dos pequenos que, muitas vezes, ficam à mercê dos jogos eletrônicos e da televisão. Portanto, como proporcionar uma diversão sadia e que ao mesmo tempo ajude no desenvolvimento infantil? Nesse momento, entram em cena as colônias de férias, que unem em seu espaço diversão e aprendizagem.


Com o objetivo de estimular a integração familiar e auxiliar no desenvolvimento físico e emocional das crianças, é possível encontrar nessas colônias, atividades lúdicas e animadas, que prendem a atenção das crianças e, ao mesmo tempo, proporcionam inúmeros benefícios.


Por exemplo, caso a criança apresente dificuldade de interagir com as demais, determinadas atividades auxiliam em seu desenvolvimento social, fazendo com que ela se sinta mais integrada e com que cresça com mais maturidade. Já para a criança que não consegue se expressar, atividades que usam música, por exemplo, ajudam a expor os sentimentos com mais facilidade e, assim, ela se tornará um adulto mais sociável e feliz. Além disso, as colônias possuem especialistas capacitados para dar todo o suporte às crianças e garantir a segurança necessária aos pais que confiam deixar seus filhos nesses espaços.


Porém, é preciso tomar cuidados e pesquisar bastante antes de escolher uma colônia de férias para seu filho. Certificar-se de que os profissionais realmente são todos qualificados, analisar toda a programação, verificar se as atividades são pensadas para promover o bem-estar das crianças, pesquisar o histórico do local e colher opiniões com outros pais são algumas precauções que devem ser tomadas antes de escolher um lugar para deixar o seu filho e evitar que esse período, ao invés de ajudá-lo a se desenvolver, traga traumas e problemas sociais e psicológicos. Brincar também é coisa séria e afeta diretamente na maneira que a criança vê a si própria, bem como enxerga o mundo ao seu redor.


Por fim, é interessante frisar o diferencial dos espaços em que os pais também possam retomar a infância brincando com os filhos. Como os pequenos estão com o dia mais livre, eles sentem a necessidade de estar mais com o pai e a mãe, já que passarão, em média, um mês sem o convívio com os coleguinhas da escola. Por essa razão, algumas colônias promovem a oportunidade da família brincar junta, gerando carinho e união e estreitamento dos laços familiares. Vivenciando a integração familiar, a criança terá mais confiança e segurança no futuro.

 

Naiana Pontes
naianaalencar@hotmail.com
Psicóloga e sócia-diretora da Prupê pra Brincar

Adriano Nogueira

TAGS