PUBLICIDADE
Jornal

Editorial: "A meta é a estabilidade na política"

A instabilidade na política se mantém em alto grau de gravidade, mas a economia já não sofre abalos na mesma proporção

07/06/2017 01:30:00
Desde o início da recessão brasileira, no fim de 2014, a crise econômica se deu abraçada à crise política. As duas se entrelaçaram, uma aumentando a gravidade da outra. A situação é peculiar ao presidencialismo brasileiro, em que o Estado se mantém como força motriz da economia. Portanto, se a crise política afeta diretamente o poder central, a economia é prejudicada.

 

Agora, há alguns poucos e positivos sinais de que uma (a economia) pode estar começando a gradualmente se dissociar da outra (a política). A instabilidade na política se mantém em alto grau de gravidade, mas a economia já não sofre abalos na mesma proporção. Seria uma consequência benéfica de uma equipe econômica que é respeitada pelo mercado.


No mercado político, a aposta é que independentemente do que ocorrer na política do País, incluindo a queda do presidente Michel Temer por renúncia ou cassação, a bandeira dos candidatos mais fortes numa eleição indireta seria manter nos cargos a atual equipe e, principalmente, manter as diretrizes por ela até aqui emanadas. Isso, claro, se o País não fizer opção pela eleição direta.


Um dos sinais mais relevantes da dissociação entre a política e a economia ocorreu ontem em um quadro de relativa estabilidade no mercado financeiro: os índices da bolsa em ligeira alta e o câmbio em ligeira baixa. Tudo isso no dia em que o TSE iniciou o julgamento que pode levar à cassação da chapa Dilma-Temer.


De todo modo, o quadro se mantém grave e complexo. Os índices econômicos ainda não estimulam o otimismo. Porém, ainda na tarde de ontem, um estudo da Fundação Getúlio Vargas indicava que o mercado de trabalho chegou ao fundo do poço, mas estaria pronto para iniciar uma trajetória de recuperação.


Mesmo com a economia mantendo alguma trajetória independente da crise, jamais haverá a retomada do crescimento e dos empregos de forma satisfatória sem a devida estabilidade na política. Bolsas e câmbio podem até não sofrer grandes solavancos, mas os grandes investimentos só vão voltar com o fim da crise na política. Portanto, quanto mais rápido a estabilidade na política chegar, melhor.


Adriano Nogueira

TAGS