PUBLICIDADE
Jornal

VERSÃO IMPRESSA

Após atos contra governo, Irã tem manifestações a favor

Vídeos não confirmados compartilhados nas mídias sociais nos últimos dias mostram atos grandes e pequenos no país, alguns pacíficos e outros violentos. É difícil, porém, medir a extensão deles, segundo informaram veículos

04/01/2018 01:30:00
NULL
NULL (Foto: )
[FOTO1]

A televisão estatal iraniana divulgou imagens de milhares de pessoas que se manifestavam a favor do governo, no que parece ser a maior resposta favorável ao regime após dias de protestos.


Não estava ainda claro quem havia organizado a manifestação pró-governo, mas elas ocorrem após a maior onda de protestos no país em quase uma década, que resultou em mais de 20 mortes confirmadas e em centenas de prisões.


Vídeos não confirmados compartilhados nas mídias sociais nos últimos dias mostram atos grandes e pequenos, alguns pacíficos e outros violentos. É difícil, porém, medir a extensão deles, diante dos limites para o trabalho da imprensa estrangeira e da escassa cobertura nos meios estatais.


Na manhã de ontem, grandes multidões que apoiam o governo e o líder supremo, aiatolá Ali Khamenei, foram mostradas em cidades pelo país. Algumas pessoas levavam fotos de Khamenei e do aiatolá Ruhollah Khomeini, o primeiro líder da República Islâmica do Irã. Outros entoavam gritos, entre eles “morte à América”.


Protestos contra o governo em geral têm ocorrido mais tarde. Havia convocações que circulavam online por mais atos nas cidades.


A recente onda de protestos começou na última quinta-feira em Mashhad, a segunda maior cidade do país, mas logo se disseminou por dezenas de outras.


Inicialmente com foco na inflação de dois dígitos e no desemprego no governo do presidente Hassan Rouhani, os protestos se disseminaram para uma crítica mais ampla ao sistema iraniano e
a Khamenei.


Nos últimos dias, as autoridades têm prometido uma resposta vigorosa e bloquearam o acesso a mídias sociais populares entre os manifestantes para se organizar. Foi bloqueado, por exemplo, o aplicativo de mensagens Telegram, utilizado por milhões de iranianos.


Rouhani disse no domingo que os iranianos têm o direito de protestar, mas que a violência e o vandalismo não serão tolerados.


Já Khamenei, que tem a palavra final sobre questões de Estado no sistema iraniano, falou pela primeira vez na terça-feira e culpou inimigos do Irã pelos distúrbios. O Líder Supremo não disse quais inimigos seriam, mas alguns líderes internacionais demonstraram
apoio aos protestos.


O presidente dos EUA, Donald Trump, tem se manifestado nos últimos dias pelo Twitter com elogios aos manifestantes e críticas aos líderes do país.

Agência Estado

 

TAGS