VERSÃO IMPRESSA

Cientistas advertem contra plano climático

01:30 | 29/03/2017

Cientistas, autoridades e ativistas ambientais na Europa afirmaram que os Estados Unidos podem estar indo contra seus próprios interesses, caso decidam recuar nos esforços do governo anterior para conter a mudança climática.


Climatologista da Universidade de Berna, na Suíça, Thomas Stocker disse que o plano de Trump iria prejudicar os EUA no longo prazo. “Se ‘América em Primeiro Lugar’ [slogan de Trump] significa que você quer liderar, então não pode voltar o relógio para trás e confiar em uma tecnologia de um século atrás”, afirmou o pesquisador.


Stocker, ex-copresidente do painel da Organização das Nações Unidas sobre mudanças climáticas, lembrou que o governo Obama foi a principal força para a conclusão do acordo de Paris em 2015. “Eles estão desistindo daquela posição de liderança e eu suspeito que isso será tomado por outros países competitivos”, comentou, citando como exemplo a China.


A avaliação foi similar à de Myles R. Allen, climatologista da Universidade Oxford. “Caso a China veja que os EUA têm visão curta, isso pode ser uma chance de assumir a liderança no clima”, disse. Allen afirmou que o plano de Trump mina um mecanismo crucial pelo qual o governo americano buscava mitigar o aquecimento global.


Pelas regulações dos EUA, autoridades calculam o “custo social” das emissões de carbono, em vez de comparar isso com o custo de cumprir as regulações voltadas para conter as emissões de gases causadores do efeito estufa. A redução drástica no custo estimado do carbono, como indicou o governo Trump, iria aumentar o lucro de quem gera petróleo, carvão e gás no país.


A ministra do Meio Ambiente da Alemanha, Barbara Hendricks, afirmou que seu país, que almeja obter a maior parte de sua energia de fontes renováveis até 2050, nota que as ambições políticas sobre a mudança climática são de interesse do próprio país de Trump. Segundo a ministra, a promoção de energia renovável e da eficiência energética já gera muitos empregos pelo mundo. (Agência Estado)

 

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS