VERSÃO IMPRESSA

O último sol

01:30 | 08/02/2017
Mateus Honori

mhonorim@gmail.com


Quando a notícia correu pelas ladeiras da cidade,

Todo mundo, em alvoroço,

se desesperou

em remorso e culpa por não tê-lo apreciado

Sentido o seu calor

Pois era enfim, o último sol. Na última manhã de sol

Os casais apaixonados saíram às janelas

E para as donzelas fizeram votos e promessas

De amor sem fim.
Pois era enfim,

a última manhã de sol. Outros ainda se recolheram

E envoltos de tristeza
e de saudade

Daquele que sempre aqueceu e iluminou

sua felicidade

Um ponto final se colocaram.

E quanto mais morria o dia, mais se ouvia a cantoria.

Um lamento, sofrido. E se em vida passou, sempre, despercebido

Todos agora se ajoelhavam, em adoração,

Para o último pôr do sol. Enfim, chegou a noite e a lua - mãe dos amantes. E todo mundo novamente

se escondeu.

Esperando ela também morrer para enfim,

Notar sua existência.

ADRIANO NOGUEIRA

TAGS