PUBLICIDADE
Jornal

O Espaço ideal para crianças

07/10/2017 01:30:00
NULL
NULL
[FOTO1]

 

Sala de jogos, salas de convivência, sala de ginástica, piscina, playground, recepção e quadra esportiva são alguns dos ambientes confortáveis e disponíveis para quem optou por morar em condomínio, seja horizontal ou vertical. Essas opções são um meio de encontrar o lazer e entretenimento fora dos espaços públicos, principalmente quando eles não oferecem tanta segurança. Esses são os locais para as crianças brincarem, conversarem e trocarem experiências. Entretanto, podem se tornar perigosos se esconderem riscos, como eletricidade exposta, objetos pontiagudos, lâmpadas quentes.

[SAIBAMAIS] 

Para o gerente de relacionamento da Gestart Singular, Yuri Melo, os condomínios com boas áreas de lazer tendem a se valorizar quando comparados aos que não possuem os mesmos equipamentos e ambientes. Ele lembra, apesar disso, da administração do condomínio que exige frequente manutenção das áreas, para que tenham uma maior durabilidade e gerem menos custos com reparos.

[FOTO2]

Ele enfatiza que os ambientes devem ser cuidados e higienizados para não acarretarem doenças, vírus e não se tornarem locais em que as crianças possam se machucar. Isso exige uma vistoria constante do material utilizado, principalmente das peças dos playgrounds, que vão enferrujando e ficando frágeis. Os moradores, administradores e síndicos dos condomínios devem valorizar a limpeza profissional, já que é de extrema importância preservar a saúde da família e crianças.


Para o especialista, a segurança merece atenção redobrada. “Nas áreas comuns deve ser dado uma atenção mais intensa à parte de segurança de equipamentos, como piscina, quadra e vias de trânsito de veículos. Nas unidades privativas deve ser observado a instalação de telas protetoras, nos casos de condomínios verticais”, explica.

[QUOTE1]

O gerente operacional da empresa GS Terceirização, Walmir Ângelo, destaca que a demanda de busca por condomínios com área de lazer tem crescido consideravelmente. “É algo que, obviamente, traz mais tranquilidade para os pais quando as crianças não estão mais expostas em áreas públicas”, diz.


Ele reforça, no entanto, que não é responsabilidade do empreendimento cuidar das crianças. “É preciso o acompanhamento por adultos em áreas de lazer e organizar em assembleia os cuidados que todos devem ter”. O especialista destaca o que dá para evitar os acidentes, como a proibição de crianças em garagens. “Uma vez presenciei uma criança brincando de esconde-esconde embaixo de um carro em um condomínio. Obviamente, não tinha orientações bem definidas e divulgadas”, explica.


Por último, ele pontua que é obrigatório acertar os horários, como e quando as crianças devem brincar no espaço do empreendimento, além do uso de câmeras de monitoramento feito por profissionais e com regras de padronização, como cercas ao redor da piscina, e limite de idade nas brincadeiras que envolvem quadras e playgrounds. “Tais regras de preservação trazem união e orientação em conjunto”.


 

Gabriel Amora

TAGS
NULL