PUBLICIDADE
Jornal

Arquitetura e ousadia

10/06/2017 01:30:00
NULL
NULL

[FOTO1]

Daniel Arruda é um dos arquitetos mais requisitados no mercado imobiliário. À frente do Escritório Daniel Arruda Arquitetura, atua no Ceará e também em outros estados das regiões Norte e Nordeste. Após parceria de dez anos com o arquiteto Isidro Vilela, segue carreira solo desde 2010, com a proposta de elaborar projetos diferenciados e inovadores. Entre os projetos monumentais marcantes cita o Edifício Libanus, Mansão Macêdo, e o BS Design, da BSPAR, prédio comercial que deverá ficar pronto em 2019. Nessa entrevista ele fala que trabalha com todos os estilos e do sonho de construir o prédio mais alto de Fortaleza. Por enquanto, projeta a construção de um com cerca de 150 metros, o máximo permitido pela legislação atual.

O POVO - Como arquiteto o senhor segue alguma linha?
Daniel Arruda - O nosso escritório elabora projetos de arquitetura de uma forma em geral. A gente não é ligado a um estilo, a uma linha, não. A gente quer fazer uma boa arquitetura, independente de qualquer estilo. E, principalmente, uma arquitetura diferente. Uma arquitetura ousada, buscando novo design para o sky line Fortaleza e também criando projetos inovadores para o mercado sair dessa sensação de conformidade que a gente está acostumado a ver na arquitetura cearense.

OP - O que o senhor acha da arquitetura de Fortaleza?
Daniel Arruda - A arquitetura de Fortaleza é muito bonita, muito respeitada. Nos estados onde a gente tem trabalhado, a arquitetura cearense é sempre colocada como excelente. Tem grandes nomes da arquitetura aqui e a gente tem muita honra de participar dessa escola, desse time de arquitetos. A arquitetura cearense é uma arquitetura de ponta. Sai na frente de muitos estados a nível nacional, tanto em tecnologia, em conceitos construtivos como na própria concepção arquitetônica.

OP - E o urbanismo em Fortaleza?
Daniel Arruda - Em termos de urbanismo, na minha visão, existem poucas oportunidades. Inclusive, atualmente nós estamos trabalhando em um projeto com um bairro planejado. É um projeto bem conceituado, visando a qualidade de vida. Mas a produção urbanística em relação à produção arquitetônica em Fortaleza ela não é muito equilibrada. É um projeto que está bem inicial. Mas o que eu posso assegurar é que é um bairro, em Fortaleza, onde os principais conceitos de qualidade de vida estão sendo inseridos na concepção desse projeto.

OP - E é um projeto para quando?
Daniel Arruda - Não sabemos ainda. Mas acredito que para depois de 2020, provavelmente. Vai depender muito de mercado. Atualmente, estamos desenvolvendo dois. Tem um maior e outro menor. Um inclusive está em implantação em frente ao RioMar Presidente Kennedy. A entrega de toda a obra de infraestrutura será feita nos próximos meses. Lá também é um bairro planejado numa proporção menor. Tem toda uma infraestrutura, toda concepção de áreas verdes, de bairro inteligente. E vai ter uma associação que vai fazer o planejamento e administração. Acredito que o lançamento será em 2018.

OP - O senhor acha que ainda vai demorar para Fortaleza ter um prédio de 100 andares?
Daniel Arruda - Acho que ainda vai demorar, sim. Primeiro que a legislação federal, do Comando Aéreo (Comar), teria que mudar para a gente ter essa possibilidade de fazer um prédio de 100 andares. Nós já evoluímos bastante para sair da altura máxima de 72 metros para, de repente, ir para uma altura de 150 metros, que é o dobro do que convencionalmente a gente está acostumado a fazer. É um grande avanço. Mas para ir além disso teria que mudar completamente o aeroporto ou a legislação federal. A legislação de Fortaleza é específica porque envolve um plano específico onde um dos indicadores é a cota de terreno. E também a localização do aeroporto. Como o nosso aeroporto é dentro da cidade então isso repercute diretamente na altura das edificações. Em outras capitais existem prédios mais altos, porque o aeroporto é muito afastado da cidade.

OP - Mas o senhor já tem um projeto engatilhado para construir o prédio mais alto de Fortaleza?
Daniel Arruda - Nós já estamos desenvolvendo um projeto, está em estudo ainda, que é um prédio de apartamentos com 46 andares, chegando em torno de 150 metros de altura total. Isso seria para esse ano ainda, o lançamento. O projeto ainda passará por uma aprovação por parte da Prefeitura de Fortaleza. Mas a ideia é, após essa aprovação, ser lançado para o mercado. Será na área da Beira Mar, que hoje é a área que a gente consegue maior altura de edificações por conta do nível do terreno.

OP - É sonho para todo
arquiteto fazer o prédio mais alto de sua cidade?
Daniel Arruda - É porque viram referências. A gente sabe os benefícios que isso traz tanto para a cidade como para o entorno dele envolvido. Quer queiram, quer não, esses prédios altos se tornam ícones. Referenciais na cidade.

OP - E quais são os benefícios dos prédios altos?
Daniel Arruda - Ele traz melhor ventilação para o entorno onde ele será inserido. Porque quanto mais alto maior área de recuo vou precisar. Normalmente, esses prédios altos se situam no meio do terreno, com isso liberam uma área livre ao redor do seu terreno, melhorando a ventilação da vizinhança.

OP - As construções locais deveriam primar pela utilização da ventilação e da luz?
Daniel Arruda - A gente já tem uma premissa que são os prédios todos voltados para o nascente. Isso é uma premissa local a nível até do Nordeste. Os prédios altos vão valorizar porque eu diminuo a área de ocupação da lâmina e verticalizo, gerando mais área de ventilação no entorno.

OP - Quais são os projetos mais marcantes da sua carreira?
Daniel Arruda - Todos os projetos são importantes. O edifício Libanus tem um significado importante porque foi o primeiro projeto de alto padrão que nós como empresa projetamos. Depois dele nós crescemos e desenvolvemos uma série de outros projetos. Entre eles estão a Mansão Macedo, com o maior apartamento em área de Fortaleza e um dos maiores do Brasil. E o BS Design (da BSPAR, em formato de vela de jangada), que está em obras. Esse é um projeto complexo por sua essência que envolveu muita disciplina, muita tecnologia, requereu muito do escritório. O The Place e The Palace são dois outros projetos interessantes, porque introduziram o pé direito duplo em Fortaleza. 

  

 

TAGS