PUBLICIDADE
Jornal

A Casa também educa

10/06/2017 01:30:00
NULL
NULL

[FOTO1] Criar um modelo de casa que evite acidentes e desorganização também é uma maneira de manter a ordem. A ideia é que o método educacional utilizado pelos pais também seja colocado em prática na arquitetura e no funcionamento do dia a dia do lar. [SAIBAMAIS] 

Os pais necessitam usar divisórias para guardar livros, brinquedos, roupas e outros objetos. De preferência, que sejam em gavetas ou em caixas transparentes, já que facilitam na procura e os protegem da poeira.

 

Synara Oliveira, arquiteta, conta que os filhos devem ser orientados na hora da limpeza, para lavar os pratos e copos que usam, e guardar os sapatos e roupas nas gavetas. A descoberta da casa, no entanto, é muito importante, já que permite que as crianças explorem todos os ambientes e descubram como funciona a organização de um lar.  

Na hora de adaptar a casa, a arquiteta especializada em interiores, Sara Aragão, diz que o projeto de quarto “Montessoriano” se torna mais vantajoso, visto que funciona com a ótica das crianças sob os móveis. No quarto, os pequenos conseguem alcançar todos os objetos e ainda desenvolvem métodos organizacionais, já que o ambiente foi pensado para o seu acesso.  

A especialista recomenda o quarto para ajudar a desenvolver a coordenação da criança, com cama, guarda-roupas e outros móveis na altura dos olhos do filho. O planejamento do projeto custa R$ 1, 5 mil, e a construção entre R$ 10 mil à R$ 15 mil, variando com o tamanho do ambiente. Quando a criança atingir os seus sete anos, o cômodo poderá ser desmontado, já que o crescimento impede o uso dos móveis.  

A dica da arquiteta Ilana Rocha é que, deve-se trabalhar com as mudanças nos móveis dos cômodos da casa. Para isto, é preciso criar um bom fluxo para que as crianças possam se locomover à vontade pelos corredores.  

Ela diz que é fundamental priorizar os móveis com extremidades redondas, no caso de acidentes com crianças. Além disto, é necessário ficar atento aos compartimentos, como portas e gavetas, que devem ficar fechados.  

Outro ponto a ser observado é procurar não utilizar vidros em portas ou prateleiras, já que podem ser quebrados quando usados de apoio pelos filhos. O melhor é se apropriar da madeira, que não quebra com facilidade. “Usem a decoração e enfeites longe do acesso dos filhos, em estantes mais altas, por exemplo, já que os impedem de alcançá-las”, explica.

Gabriel Amora

TAGS