PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Diageo/Ypióca terá programa de licença paternidade de seis meses

| JULHO | Licença paternidade para os funcionários da Ypióca terá a mesma duração que a da mãe, com salário integral

24/05/2019 01:35:46

A Ypióca, comprada em 2012 pela fabricante de bebidas destiladas, Diageo, vai iniciar um programa de licença paternidade equivalente ao mesmo regime da mãe, a partir do próximo dia 1º de julho, novo ano fiscal da companhia. O benefício para os funcionários da marca de cachaça cearense terá duração de 26 semanas (seis meses), com salário integral. Dos 1.000 colaboradores da Diageo, 400 estão no Ceará.

A diretora de Recursos Humanos da Diageo, Tatiana Sereno, explica que a ideia surgiu "para estimular o homem a executar o papel de pai assim como a mãe estimula o papel de mãe, já que a responsabilidade da criação do filho deve ser uma responsabilidade do casal, da família e não só da mãe".

 Além disso, casais homoafetivos também terão direito ao benefício. "Com essa política, casais homoafetivos também vão usufruir da licença. Se a gente quer fazer uma sociedade mais igual, nós temos que fazer para todos. Estimular a sociedade, o Brasil como um todo, além do Ceará".

De modo global, Tatiana Sereno, conta que a Diageo vem trabalhando o tema de diversidade e inclusão nos últimos dois anos. "Nós temos feito trabalhos importantes na Ypióca, na questão da representatividade da mulher. Temos mulheres em postos de trabalhos que eram tipicamente masculinos. Essa questão da equidade para homens e mulheres sempre foi muito importante".

O supervisor de manutenção industrial/elétrica, Petrus Souza Gomes, será um dos beneficiados quando o programa iniciar em julho. Ele será pai de primeira viagem de uma menina em breve e conta que se sente valorizado e muito feliz pela forma como a Diageo-Ypióca está lhe apoiando nesse momento, em que é tão importante eu estar junto da minha família.

"A minha esposa vai precisar de todo o meu apoio neste momento e também será muito bom eu poder acompanhar o crescimento nos primeiros 6 meses estando mais próximo da minha filha".

TAGS