PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

O ACORDO PRAIA DO FUTURO

2019-02-01 03:49:24

Um acordo vem sendo construído para que as "barracas" da Praia do Futuro se adequem ao que determina à lei e não sejam demolidas. Segundo o procurador Alessander Sales, da Procuradoria da República no Ceará, está em fase de conclusão um Termo de Referência. O documento, discutido em um fórum criado para por fim ao impasse, traz entre as proposições o lançamento de um concurso de ideias para reconstrução ou readequação de empreendimentos pequenos, médios e grandes. A intenção é apresentar um projeto arquitetônico sustentável, coordenado pelo Instituto dos Arquitetos do Brasil-Ceará, que permita a livre circulação da população até a praia. Sem obstáculos e mais privatização dos terrenos de frente para o mar. De acordo com Alessander, até o final do próximo mês, o Termo estará concluído e, provavelmente, aprovado em votação aberta pelos membros do Fórum da Praia do Futuro. O procurador informa que o empresário que aderir ao acordo assinará um Termo de Ajustamento de Conduta e o Ministério Público Federal retirará a ação contra ele na Justiça.

DISCORDÂNCIA

Donos de pequenas e médias barracas estariam dispostos a assinar o acordo gestado pelo Fórum da Praia do Futuro. O problema, afirma o procurador Alessander Sales, seriam grandes empreendimentos que insistem em manter estruturas com piscinas e outros equipamentos em grande faixa da praia.

DISCORDÂNCIA II

Segundo a perícia do MPF, das 154 barracas construídas na Praia do Futuro, 101 impedem o livre acesso das pessoas ao mar. Dessas, 98 ocupariam áreas que excedem o tamanho do espaço que foi determinado pela Secretaria do Patrimônio da União.

MEIO AMBIENTE

O Termo de Referência do Fórum da Praia do Futuro prevê a criação de um "condomínio" de barraqueiros para que seja feita a gestão sustentável da área juntamente com o Poder Público. O impacto ambiental já causou, por exemplo, o fim de espécies como feijão-da-praia e o murici.

MEIO AMBIENTE II

Quando os desembargadores do Tribunal Regional Federal decidiram manter as barracas, ignoraram a questão ambiental. Levaram em conta apenas o aspecto econômico. Ali, são gerados três mil empregos diretos e dez mil indiretos. Há uma frequência de 200 mil pessoas por mês e a geração de toneladas de material reciclável. No entanto, a maior parte vira lixo nas ruas, na praia, no mangue e no mar.

ABANDONO

O Vagão Biblioteca da Praça Luíza Távora continua abandonado e se deteriorando, cheio de pichações. Será tão oneroso recuperar o equipamento e oferecer livros para quem frequenta a praça de dona Pierina?

DELÍCIA

A Expedição Jornalística Ceará Gastronômico, promoção do jornal O POVO e rádio O POVO/CBN, receberá na próxima terça-feira, 22, interessados em participar de uma roda de conversa sobre "receitas do baú" das famílias. As inscrições devem ser feitas pelo link: http//bit.ly/Expedição_OPOVO_Fortaleza. O encontro será na Cegás, de 8 às 12 horas, na Washington Soares, 6475, José de Alencar.

EXCLUÍDOS

A promotora de Justiça Carolina de Paula, de Itapipoca, entrou com uma ação civil dando um prazo de 60 dias para a prefeitura construir um Centro de Referência Especializado para População em Situação de Rua. Para abrigar e alimentar. Sob pena de multa diária de R$ 10.000,00.

REI MOMO

Estão abertas as inscrições para quem quer ser o Rei e a Rainha do Carnaval cearense deste ano. O prêmio é de R$ 8 mil para cada um dos eleitos. A realeza da folia conta ainda com a princesa e outros súditos. Informações com a Crônica Carnavalesca: 3226.9581

TAGS