PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Moro promete usar pacote de ações contra corrupção

|ENCONTRO| Futuro ministro do governo Bolsonaro se reuniu com atual titular da pasta da Justiça, Torquato Jardim

01:30 | 09/11/2018
Jardim e Moro discutiram a transição do Governo Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil
Jardim e Moro discutiram a transição do Governo Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

O juiz federal Sérgio Moro, futuro ministro de Justiça e Segurança Pública no governo Jair Bolsonaro, disse ontem que há várias medidas e planos em gestação sobre combate à corrupção e ao crime organizado. Entre elas, Moro afirmou que irá aproveitar uma parte das propostas constantes nas dez medidas contra a corrupção apresentadas ao Congresso por projeto popular.

 

"As eleições deixaram claro que há grande insatisfação da população com a segurança pública. Esse é um problema sério, difícil, que precisa ser equacionado. Em parte por medidas executivas, em parte por projeto de lei. É o momento propício para a apresentação de projetos legislativos. As dez medidas estão dentro desse radar", afirmou o magistrado, que falou brevemente com a imprensa após reunião com o atual ministro da Justiça, Torquato Jardim.

 

? "Algumas das propostas (das dez medidas) serão resgatadas e algumas talvez não sejam tão pertinentes agora quanto no passado e novas devam ser inseridas", complementou Moro.

 

Ao lado de Torquato Jardim, Moro falou em dar "continuidade aos bons projetos que vêm sendo executados. "Não sou daqueles que assumem reclamando que existe herança maldita."

 

Sobre o que pretende propor quando assumir a pasta, que fundirá os ministérios da Justiça e da Segurança Pública, o futuro ministro disse que pretende propor medidas fortes, simples, para serem aprovadas em tempo breve, dentro dos dois pontos basilares de sua futura gestão, o combate à corrupção e ao crime organizado.

 

Perguntado sobre a superlotação dos presídios do país, Moro admitiu que é preciso criar vagas no setor, e defendeu um endurecimento para quem pratica crimes graves. "É inequívoco que existe, no sistema carcerário, muitas vezes, um tratamento leniente, a meu ver, para crimes praticados com extrema gravidade. Casos de homicídio qualificado, de pessoas que ficam poucos anos presos em regime fechado. Para esse tipo de crime, tem que haver um endurecimento", acrescentou.

 

O ministro Torquato Jardim, em breve pronunciamento, disse que conversou com Moro sobre estrutura do ministério da Justiça, orçamento e atividades prioritárias da pasta. Desejou sorte a Moro e disse que "o seu sucesso será o sucesso do Brasil". 

 

(das agências)