PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Desembargador cearense é punido pelo CNJ por acusação de venda de liminares em plantões

01:30 | 19/09/2018

O Plenário do Conselho Nacional de Justiça (CNJ) determinou aposentadoria compulsória para o desembargador do Tribunal de Justiça do Ceará Carlos Rodrigues Feitosa por venda de sentenças em plantões judiciários. A decisão foi tomada por unanimidade, nesta terça, 18.

O relator do processo, conselheiro Luciano Frota. (Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ)
O relator do processo, conselheiro Luciano Frota. (Foto: Gil Ferreira/Agência CNJ)
 

A conduta infracional do magistrado já vinha sendo apurada pelo CNJ desde 2015, quando a Corregedoria Nacional de Justiça iniciou a investigação, que comprovou envolvimento do desembargador com esquema de venda de liminares por meio de troca de aplicativo de mensagem instantânea e Facebook. 

 

Os casos analisados referem-se a soltura de presos mediante pagamento em dinheiro. A oferta, segundo os autos, teria sido feita por advogados que frequentavam os plantões judiciários de Feitosa.

 

As investigações da Polícia Federal revelaram que eram cobrados valores entre R$ 50 mil e R$ 500 mil para cada decisão favorável durante os plantões de feriados e fins de semana no TJ-CE para liberar presos, inclusive traficantes.

 

O grupo de WhatsApp - majoritariamente composto por advogados - foi criado pelo filho do desembargador, Fernando Feitosa,, que avisava no grupo quando o pai estaria no plantão.

 

O Ministério Público Federal revelou que a quebra do sigilo bancário dos envolvidos corroborou na imputação de negociação das decisões liminares. (Agência CNJ de Notícias)