PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ceará realiza o primeiro transplante para linfoma raro

2018-02-03 01:30:00


O Centro de Hematologia e Hemoterapia do Ceará (Hemoce), em parceria com o Hospital Universitário Walter Cantídio (HUWC), realizou, há cerca de um mês, o primeiro transplante de medula óssea para tratamento da micose fungóide — tipo raro de linfoma de pele. Inédito no Estado, o procedimento foi realizado em uma paciente em estágio avançado da doença. As informações foram divulgadas ontem pelo Governo do Estado.


Conforme o hematologista Fernando Barroso, chefe da equipe de transplante do Hemoce e do HUWC, a paciente não estava mais respondendo à quimioterapia. Por isso, foi decidido realizar o transplante de medula óssea.
 

O médico disse que a micose fungóide provoca lesões na pele com grandes tumores, com incidência de 0,36 casos para cada 100 mil pessoas. “No Brasil, existem poucos relatos de transplantes como esse. Em cerca de 50% das situações, a doença pode ser avançada e se não houver resposta a um tratamento convencional, o transplante de medula óssea é a única alternativa”, explicou.
 

A paciente transplantada tem 46 anos, mora em Juazeiro do Norte, no Cariri, e, conforme o Estado, se recupera bem. O doador foi um irmão da paciente, escolhido para o procedimento após um mapeamento genético.

TAGS