PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

Fortaleza: ataque como a melhor defesa

|Ofensividade| Fortaleza demonstra sintonia no setor ofensivo. Quarteto titular de Ceni é responsável por 63% dos gols do time na temporada

15/04/2019 09:03:06
FORTALEZA,CE,BRASIL,14.04.2019: Clássico rei na Arena Castelão
FORTALEZA,CE,BRASIL,14.04.2019: Clássico rei na Arena Castelão (Foto: Aurélio Alves/Aurélio Alves)

Não há dúvidas que o setor de ataque é o mais forte do Fortaleza no atual elenco. Combinado ao estilo ofensivo do técnico Rogério Ceni, o Leão desenvolve a cada partida um estilo de jogo mais agudo, que pressiona os adversários, especialmente com jogadas pelos lados, mas também consegue recompor com velocidade e bloqueia as investidas contrárias.

Não é a toa que o Tricolor está há dez partidas sem perder e cinco sem sofrer gols. O ápice foi na partida contra o Vitória-BA, pela Copa do Nordeste, uma semana atrás, quando o Fortaleza venceu por 4 a 0 pela segunda vez na temporada e fez a melhor partida de 2019 até aqui.

No Clássico-Rei de ontem, pela ida da final do Campeonato Cearense, Ceni voltou a escalar um time ofensivo, com quatro atacantes. A escolha foi ousada, mas compreensível, já que o Leão estava obrigado a vencer para quebrar a vantagem que o Ceará possuía de jogar por dois empates ou uma vitória e uma derrota pela mesma diferença de saldo.

A estratégia deu certo e com dois gols marcados por Edinho, o Leão tomou a ampliou a vantagem que o Vovô tinha, podendo agora perder por um gol de diferença no jogo da volta, domingo, novamente no Castelão.

O bom entrosamento entre os quatro atacantes vem chamando atenção. Se contra o Vitória a dobradinha foi entre Osvaldo e Júnior Santos, ontem, no Clássico-Rei, Osvaldo se entendeu bem com Edinho. O ponta esquerda deu uma assistência perfeita no primeiro gol do camisa 7.

Velozes, habilidosos e bons de "um contra um", Edinho e Osvaldo são as válvulas de escape do Fortaleza. Quando a bola chega aos pés de um deles, geralmente nasce jogada relevante.

Se no ano passado eles tinham Gustavo como ponta final, agora miram em dois centroavantes. Júnior Santos e Wellington Paulista se revezam na grande área e por vezes dividem espaço centralizados. Além disso, os pontas também tem a liberdade de finalizar. Foi assim, inclusive, que Edinho marcou o segundo gol ontem - contou com desvio na cabeça do zagueiro Tiago Alves.

O quarteto que começou jogando ontem (Edinho, Júnior Santos, Wellington Paulista e Osvaldo) é responsável por aproximadamente 63% dos gols marcados pelo Leão na temporada. São 17 tentos, num universo de 27.

O artilheiro é Júnior Santos, com dez gols em 16 jogos. Ele está fora do jogo de volta da final do Estadual, já que foi expulso ontem. Dentre os reservas do ataque Tricolor, o substituto mais próximo é Éderson, que não poderá atuar nos próximos seis meses, devido rompimento do ligamento cruzado do joelho. Se não quiser improvisar outra peça, Ceni terá que abrir mão do esquema com quatro atacantes no domingo que vem.

BRENNO REBOUÇAS