PUBLICIDADE
Jornal

Alvinegro já reverteu desvantagem duas vezes na Copa do Brasil

03/04/2019 02:04:59

O Ceará tem a dura missão de reverter desvantagem de dois gols contra o Corinthians na Copa do Brasil, hoje à noite. A boa notícia é que o Alvinegro conseguiu esse feito duas vezes em sua história no torneio — apesar de que nenhuma delas foi fora de casa.

A primeira foi em 2005, na campanha que rendeu semifinal do torneio nacional. Na segunda fase daquela edição, o Alvinegro de Porangabuçu encarou o Paysandu-PA depois de passar pelo 4 de Julho-PI. No primeiro embate, realizado em Belém, no dia 9 de março, o Papão bateu o Vovô por 2 a 0 e encaminhou a classificação. A volta, sete dias depois, viu o Alvinegro eliminado até o minuto 27 da segunda etapa.

Ali, a reação começou. Moré marcou o primeiro para deixar o Ceará vivo no jogo. Cinco minutos depois, o segundo tento saiu dos pés de Maurílio, para igualar o agregado. O atacante fez ainda seu segundo gol na partida, aos 45, deixando 3 a 0 para o Alvinegro, que ainda faria o quarto com Anderson Lobão, aos 49. O público de quase cinco mil pessoas festejou a classificação no Castelão nos momentos finais. O time, comandado até então por Luís Müller, ainda eliminou o Flamengo-RJ e o Atlético-MG na sequência, até cair para o Fluminense-RJ nas semifinais.

Oito anos depois, a segunda e última vez que o Ceará reverteu margem de dois gols aconteceu. Dessa vez contra o ASA-AL e com uma montanha para escalar. Depois de perder a ida por 3 a 0, precisava ao menos igualar o placar para levar para os pênaltis no estádio Presidente Vargas.

O jogo aconteceu no dia 8 de maio de 2013 e os quase 19 mil presentes no estádio viram um Ceará agressivo desde o primeiro minuto. Aos nove, Rafael Vaz fez de cabeça para abrir o placar. Pingo, aos 32, fez o segundo, depois de passe de Magno Alves. O Magnata ainda daria a assistência para o terceiro, já no segundo tempo, para gol de Mota. O resultado por 3 a 0 prevaleceu até o fim. Nos pênaltis, os alagoanos eliminaram o Vovô por 4 a 3.

 

Gerson Barbosa/Especial para O POVO

TAGS