PUBLICIDADE
Jornal

Ainda sem "intensidade", Madson só jogou 27 minutos pelo Fortaleza

Meia só entrou em uma partida na temporada e levanta questionamentos sobre condições de jogo

AINDA fora de forma, o meia Madson não viajou para Recife para a estreia do Fortaleza
AINDA fora de forma, o meia Madson não viajou para Recife para a estreia do Fortaleza

Dos nomes anunciados pela diretoria do Fortaleza como reforços para a temporada 2019, Madson foi um dos que gerou mais expectativas na torcida tricolor. Também houve quem olhasse com desconfiança para o meia-atacante de 1,58m de altura que brilhou na década passada, principalmente em razão das sete temporadas que ele passou no futebol do Qatar.

Fato é que quase 60 dias após a chegada de Madson ao Fortaleza, o torcedor ainda não conseguiu tirar as próprias conclusões sobre o jogador. Ele teve apenas 27 minutos em campo em um universo de nove partidas jogadas pelo Leão na atual temporada. Mais que isso, o baixinho só teve oportunidade de ir ao banco de reserva, como opção, por quatro vezes, todas no Campeonato Cearense.

Quando chegou, visivelmente acima do peso, o próprio Madson admitiu que não tinha condições de jogo, devido ao tempo parado - no Qatar, ele não jogava desde março do ano passado - e as diferenças entre futebol jogado daqui e o do Oriente Médio. Pediu duas semanas para estar à disposição, mas os fatos não se desenrolaram como ele previra.

Na partida contra o Barbalha, quando entrou aos 18 minutos do segundo tempo, na vaga de Romarinho, mostrou que ainda tem habilidade, mas também que precisava recuperar o condicionamento físico. Seguindo cardápio específico, montado pela equipe de nutrição do Fortaleza, o meia perdeu peso e hoje está com 69 quilos, considerado normal pelo clube - muito embora o índice de massa corporal aponte sobrepeso.

Em coletiva na última quarta-feira, logo depois da derrota do Tricolor para o Horizonte, o técnico Rogério Ceni respondeu porque não voltou a utilizar o jogador. "Madson tem que ter uma intensidade maior e nós estamos tentando trabalhar ele. Já perdeu bastante peso, mas a intensidade dele é mais abaixo dos outros (jogadores), por isso ainda não utilizo", disse.

O fisiologista do Fortaleza, Edson Palomares, utilizou um exemplo prático para descrever a "intensidade" que Ceni anda cobra do jogador. "Eu posso correr 3.300 metros e você também. Isso é o volume. Intensidade é como você correu esse 3.300 metros, com que velocidade e quanto tempo levou para recuperar", comparou.

Especificamente sobre Madson, Palomares garantiu que o meia vem aumentando a intensidade nos treinamentos e que o volume dos demais ele já acompanha. A fase de treinamentos específicos já passou e agora ele trabalha apenas junto ao grupo.

"Hoje (ontem), depois do treino, conversamos e ele está entendendo melhor o que é essa intensidade que o Rogério está cobrando dele", disse Palomares.

BRENNO REBOUÇAS