PUBLICIDADE
Jornal

ESTÁ FAZENDO FALTA AO TIME

|CAMISAS 9 e 10| Ceni espera que um meia armador e um centroavante de referência possam chegar ao Tricolor do Pici o mais rápido possível

FORTALEZA tem improvisado jogadores como o atacante Éderson no meio-campo
FORTALEZA tem improvisado jogadores como o atacante Éderson no meio-campo

O Fortaleza segue sem um jogador para orquestrar o meio de campo e distribuir assistências para o atacante. Na primeira derrota do time em 2019 para o Botafogo-PB, a ausência de um "camisa 10" para pensar o jogo pesou, assim como fez falta na partida anterior, no empate sem gols com o CSA-AL, atuando no Castelão.

A diretoria do clube trabalha com discrição no mercado da bola para fechar o quanto antes com o jogador para articular o meio de campo do Leão. O técnico Rogério Ceni tem deixado claro nas entrevistas coletivas após as partidas a preocupação por não possuir o "meia cerebral". O comandante tricolor, inclusive, quer também um "camisa 9" de referência.

Caso siga sem o 9 e 10 no elenco, posições chaves para a formação do time, os gols vão rarear, segundo Ceni. "Quando você não tem um bom 10 para infiltrar, nem um 9 para cabecear, que conclui a gol, você tem posse, posse, posse... Fica mais difícil", afirmou o treinador.

Na derrota para o Botofogo-PB, o Tricolor errou muitos passes, assim como não teve um jogo fluindo através do meio de campo. Ceni montou uma equipe com um tripé de volantes com Paulo Roberto, Gabriel Dias e Santiago Romero, que vestiu a 10, mas foi pouco efetivo. Nos outros dois jogos da temporada, o atacante Éderson foi improvisado na posição.

"Se precisamos? É claro que precisamos. Temos nomes, alguns em tentativas de negociação. Mas preciso desses jogadores para fazer o jogo fluir", explicou o treinador do Leão.

Ceni detalhou ainda que o ideal é ter o mais rápido possível um meia armador e um centroavante referência no elenco. Entretanto, o treinador explicou que é possível fazer um esquema para jogar com apenas um deles, se for o caso. O técnico lembrou do início da temporada passada, quando só tinha o 9 e fez a equipe atuar em função disso.

"Nós não tínhamos (um 10) no início do ano passado. Mas tínhamos um bom 9 e jogávamos pelo lado para fazer o cruzamento. Quando tem um bom 10, mas não tem um 9 como o Gustavo, por exemplo, você tem o 9 como Éderson, que é ótimo jogador, mas um jogador para trabalhar por trás da linha dos volantes. E você precisa de um bom 10 para infiltrar essas bolas."

Rogério Ceni voltou a ressaltar ainda que não se pode errar nas contratações devido ao orçamento limitado. "Não podemos nos dar ao luxo de cometer erros."

Lucas Mota

TAGS