PUBLICIDADE
Jornal
VERSÃO IMPRESSA

CONFIDENCIAIS

26/05/2019 17:11:08

- MOSAICO tricolor, espetáculo à parte, ontem à noite no Castelão, teve custo de R$ 13 mil, 40 pessoas trabalhando desde meio dia tudo por amor ao clube, sob o comando do Paulinho dos Mosaicos. No Brasil raros são iguais. E ia ser melhor, ainda, não fosse a rusga jurídica.

- IMPRESSIONANTE campanha tricolor revela 30 rodadas consecutivas na liderança, poucos ameaçaram, mas ninguém conseguiu chegar a tanto.

- REPAREM pra este detalhe. Acesso via pontos corridos como aconteceu agora, somado ao título, se for o caso, primeira vez do Fortaleza. Certo que subiu duas vezes por outros modelos, em 2002, 2004 e ano passado, via maldito mata-mata.

- PODEM crer. É vero. Último titulo conquistado por Rogério Ceni, enquanto goleiro do São Paulo, aconteceu oito anos atrás na Sul-Americana que não tem o peso, nem a força, nem o charme de hoje.

- CASTELÃO casa do Tricolor, sim senhor. Maior fonte de pontos foi precisamente lá, perdendo apenas duas e empatando quatro. O resto, só vitórias.

- CREIAM. É vero. Só um jogador conseguiu atravessar toda campanha do Fortaleza sem se contundir entrando em todas, menos uma por cartão amarelo. Sabem quem? Dodô. No mais, sempre foi titular. Regularidade igual, quase impossível.

- ANTES de entrar em campo ontem para Castelão cheio, Fortaleza já sabia do empate Atlético-GO 2x2 Avaí, disputado duas horas antes.

- DEZ A doze atacantes utilizados por Ceni, prova provada de que gosta de jogar ofensivamente, aplicado aluno da escola do técnico Juan Osorio, que o comandou no São Paulo. Repetia sempre: ganha jogo quem mais ataca. Preciosa lição.

- QUEREM um exemplo. Gustagol, que pouco apareceu no Corinthians, por onde jogou nunca explodiu, veio fazê-lo no Fortaleza, 28 gols, maior artilheiro do Brasil. Detalhe - nenhum de pênalti, porém um de falta, que nunca tinha feito. Parou neste. Jamais bateu outra.

- FUNDAMENTAL trabalho da diretoria, via Marcelo Paz, não só autor da maior jogada de marketing trazendo Ceni quanto lhe deu total carta branca, não se intrometendo, assinando embaixo tudo que pediu ou exigiu.

- PESOU fundamentalmente responsabilidade financeira, pagando rigorosamente em dia, incluso gratificações, ou bichos, vá lá que seja, palavra que todo jogador adora.

- MARKETING tricolor foi show à parte, dando de goleada no rival Ceará. Neste segmento, palmas para Bruno Bayma, que comandou o setor com categoria, criatividade e profissionalismo.

- SUBIDA vertiginosa do programa sócio-torcedor, chegando, após o acesso, aos 26 mil, quando meta é chegar aos 30 mil. E alguém duvida que aconteça?

- CONTRATAÇÕES pontuais, tipo Marlon, ídolo do Sampaio, multa contratual paga na hora; veio, viu e venceu, melhor de todas as outras.

- DEU escorregadas espalhafatosas como aquela do Getterson, de tão longe, Rodolfo, que ninguém conhece nem viu, por fim, Douglas Coutinho, uma lástima no Ceará, Fortaleza o trouxe pensando fazer grande negócio, foi outra lástima. Dinheiro pela janela sem retorno jamais.

- SOMADO jogo de ontem à noite contra CSA, Fortaleza já está entre os 13 maiores públicos do futebol brasileiro, além de sétima maior média de todo o País no ano do centenário (e abençoado) de 2018.

- ONTEM à noite foram usadas placas de led, ou seja, o que tem de mais moderno no futebol brasileiro, ali ao redor do campo.

- HOMENAGEM comovente feita antes do jogo ao mascote Tutuba, do Ferroviário, o melhor entre todos eles, foi o que fez maior sucesso. Roni faleceu em acidente no dia anterior. Francisco Monteiro, que se travestiu de Tutuba, não aguentou a emoção e chorou o tempo todo sem que torcedor percebesse. Ao contrário - o aplaudia freneticamente.

TAGS