PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ceará acumula três recordes negativos no início do Brasileirão

| MÁ FASE | Com pior começo de brasileirão no milênio, Ceará atinge três recordes históricos negativos após 13 jogos sem vitórias na temporada. Apesar disso, início de Lisca dá novo ânimo

01:30 | 12/06/2018
DESDE A CHEGADA de Lisca, o Ceará conquistou dois empates MATEUS DANTAS
DESDE A CHEGADA de Lisca, o Ceará conquistou dois empates MATEUS DANTAS

 

Há 65 dias os torcedores do Ceará não comemoram uma vitória do time. A má fase do Vovô na temporada não é novidade pra ninguém, mas é certo que, a cada vez que o Alvinegro entra em campo e sai sem resultado positivo, a crise se agrava. Com 13 jogos consecutivos sem vitórias — 11 pelo Campeonato Brasileiro e dois pelo Nordestão — o time acumula três recordes históricos negativos.

 

O levantamento é do estatístico especialista em futebol, Thiago Minhoca, que aponta o atual momento negativo do Vovô como um dos mais marcantes da história do clube.

O primeiro destes rcordes é o maior jejum de vitórias do próprio Ceará no atual milênio. Desde 2000, o Alvinegro nunca havia ficado tantos jogos seguidos sem triunfar. A marca anterior era de 12 jogos, em 2015, na Série B — ano em que o time quase foi rebaixado à Terceira Divisão.

 

Outra marca negativa é o tempo para conseguir a primeira vitória no Campeonato Brasileiro. Com 11 jogos sem vencer, o Ceará já igualou a marca do Botafogo na Série A em 2004.

 

A diferença entre as equipes consiste no fato de o Campeonato Brasileiro de 2004 ter tido 46 rodadas e não 38, como acontece no atual modelo de disputa. Naquele ano, o time carioca conseguiu o primeiro triunfo na 12ª rodada e não foi rebaixado à Série B.

O terceiro ponto a se destacar é que os cinco pontos conquistados nos 33 disputados até agora na Série A fazem do Alvinegro de Porangabuçu a equipe com pior campanha nas 11 primeiras rodadas no campeonato em todas as edições de pontos corridos.

Vale ressaltar que Atlético-PR (2011), Atlético-GO (2012) e Joinville (2015) conquistaram os mesmos cinco pontos que o Ceará na 11 partidas iniciais, mas tinham vencido um jogo. Os três times terminaram rebaixados ao final das competições referidas.

Em que pese o mau momento e os números negativos, desde que Lisca assumiu o comando, o Ceará ainda não perdeu. Foram dois empates — 0 a 0 contra o Botafogo, no Rio de Janeiro, e 2 a 2 contra o Palmeiras, no Castelão — que representam 40% dos pontos do time na competição.

Ainda é muito pouco. Mais importante que isso, no entanto, é que agora a motivação e intensidade do Vovô parecem renovados.

“A emoção dele (Lisca) de estar de volta mudou o vestiário. A gente vai ver o que consegue, com a parada (da Copa do Mundo), ele vai conseguir colocar o trabalho dele em prática. A vitória não está vindo e é muito difícil essa situação de mudança. Não temos tempo para trabalhar ainda. Por enquanto, seguimos na motivação, na conversa. Mas a conversa tem dado resultado. Hoje, somos um time mais bem posicionado”, analisou o meia Ricardinho, um dos líderes do elenco.

Precisando reagir com urgência, o Vovô volta a campo já amanhã, para enfrentar o Atlético-MG, às 21h45min, no estádio Independência, pela 12ª rodada da Série A. Esta será a última partida antes da parada do campeonato para a Copa do Mundo.

 

RECORDES NEGATIVOS

HISTÓRICO

1- Maiores jejuns de vitórias do Ceará (desde 2000)

11 jogos (2006; 2016)

12 jogos (2015)

13 jogos (2018)

2- Mais jogos sem vencer a primeira partida na Série A:

11 jogos (Botafogo de 2004 e Ceará de 2018):

10 jogos (Atlético-PR de 2005; Santa Cruz de 2006) e Atlético-PR de 2011)

 

3- Times que conquistaram apenas cinco pontos nas 11 primeiras rodadas:

Atlético-PR (2011) (caiu)

Atlético-GO (2012) (caiu)

Joinville (2015) (caiu)

Ceará (2018): 5 empates e 6 derrotas

 

ANÁLISEO programa “Na Prancheta” analisou as primeiras impressões do trabalho de Lisca no Ceará. Acesse em youtu.be/ YlZQozAkNus

ANDRé ALMEIDA