PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Robinson defende o meia Reina após agressão

01:30 | 25/05/2018

Com o empate sem gols diante do CRB pela Copa do Nordeste, no Castelão, torcedores cobraram os jogadores do Ceará na saída dos vestiários para o estacionamento. 

O meia Reina chegou a ser agredido e revidou. Um vídeo da confusão tem repercutido nas redes sociais. 

Questionado sobre o caso de violência, o presidente alvinegro Robinson de Castro saiu em defesa do meio-campista.  

Segundo o dirigente, apenas o atleta colombiano foi alvo de agressão durante o protesto da torcida.  

“Acho que esse momento é de equilíbrio, maturidade. Não é a primeira vez que passo por isso, nem o Jorginho, nem os jogadores. O esporte não é isso. 

 

O País já tem muitas sequelas da violência. O protesto é legítimo, democrático, deve ser feito sempre limitado na linha do que é protesto e o que é violência”, comentou. 

Robinson criticou ainda boatos de que o elenco estaria “rachado”. “Nessa hora criam situações. Não existe isso. O único problema da equipe é que não está jogando nada”, comentou. 

A torcida perdeu a paciência de vez com o time após o empate diante do América-MG, em casa. Os protestos se intensificaram de vez após a derrota para o Vitória, em Salvador, no domingo.  

De lá pra cá, os torcedores chegaram a protestar no aeroporto, na sede do clube e no Castelão. Além dos jogadores, a diretoria virou alvo das principais críticas.

Uma das principais reivindicações é por contratações para a sequência da Série A. O único reforço até então apalavrado trata-se do volante Fabinho, que vem do Internacional. (Lucas Mota)

 

VEJA MAIS: CEARÁ SE PERDE NOS PRÓPRIOS ERROS | NA PRANCHETA #16