PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

"Não tem mais espaço para medalhão", diz Robinson de Castro

Robinson de Castro conta que tirou lições da passagem do Ceará pela Série A em 2010 e em 2011. "Não tem mais espaço para medalhão", diz

01:30 | 24/11/2017

Presidente do Ceará, Robinson de Castro diz já estar iniciando o planejamento para disputar a Série A 2018 CHRISTIAN ALEKSON/CEARASC.COM
Presidente do Ceará, Robinson de Castro diz já estar iniciando o planejamento para disputar a Série A 2018 CHRISTIAN ALEKSON/CEARASC.COM
Nem mesmo terminou oficialmente a temporada, e o Ceará já está em fase de estudo sobre o planejamento para o ano que vem, quando o Alvinegro disputará a Série A do Campeonato Brasileiro.  

A confirmação do retorno à elite do futebol após seis anos de ausência ocorreu há quase uma semana. Desde então, a diretoria do clube tem se movimentado para alicerçar a permanência na divisão de elite do futebol nacional. 

“Estamos estudando a Série A. Vamos estudar os elencos, a repercussão dos que jogaram neste ano, tentar ver como foi a montagem. Vamos ver o que será necessário. Estamos iniciando o planejamento”, disse o presidente do Ceará, Robinson de Castro, ao O POVO.

&nsbp;
LIÇÕES

Robinson já viveu a experiência de estar na elite do futebol como dirigente. Antes de ser eleito como presidente do Ceará no fim de 2015, o contador e advogado fez parte da gestão Evandro Leitão — como diretor de Futebol e vice-presidente —, que durou oito anos e teve momentos marcantes como o acesso em 2009 e a permanência na Série A até 2011. 

Daquela passagem, Robinson tira lições para utilizar agora como presidente do Ceará na Primeira Divisão em 2018. “A principal é que futebol hoje, em qualquer circunstância, é força e velocidade. E, claro, a qualidade é importante, destaca esse tempero”.  

E completa: “Não tem mais espaço para o medalhão, aquela contratação ‘para fazer festa no aeroporto’, ‘jogador-bilheteria’ ou ‘só uma jogada de marketing’. São coisas que não vão contribuir para o resultado”. 

Dentro do planejamento para 2018, estarão ações voltadas para a torcida, que já deu mostras de seu apoio em 2017, quebrando recordes de público — para a partida contra o ABC, amanhã, os ingressos estão praticamente esgotados. Aumentar as adesões ao programa de sócio-torcedor é uma das metas. “Vamos repensar, replanejar e reestruturar. Nós vamos fazer parte, entre aspas, de uma competição desconhecida, de um novo recinto”, finalizou.

A manutenção de peças importantes do elenco do acesso, além do técnico Marcelo Chamusca e do gerente de Futebol, Marcelo Segurado, fazem parte do projeto do Ceará para 2018.  

Entre os jogadores de destaque da campanha na Série B, Pedro Ken, Ricardinho, Luiz Otávio, Rafael Pereira, Leandro Carvalho, Élton e Ricardinho fazem parte da lista de atletas com contratos que encerram ainda neste ano. Ao todo, 22 jogadores têm vínculos com o Vovô vencendo até o fim do ano. As baixas consideradas certas no Ceará para 2018 são o lateral esquerdo Romário, que tem pré-contrato com o Santos, e o meia Lima, que pertence ao Grêmio

LUCAS MOTA