PUBLICIDADE
Jornal

COB convoca reunião de emergência para quarta-feira

07/10/2017 01:30:00


A suspensão do COI (Comitê Olímpico Internacional) ao COB (Comitê Olímpico do Brasil) caiu como uma bomba no esporte nacional. O recado nas entrelinhas da entidade na Suíça foi bem claro: arrumem a casa que tudo voltará ao normal. E não demorou para o COB soltar uma convocação para Assembleia Geral Extraordinária na próxima quarta-feira, com a presença das confederações esportivas filiadas.


Na reunião no Rio, os membros vão definir estratégia de atuação após a prisão temporária de seu presidente Carlos Arthur Nuzman. 

 

Anteriormente, alguns dirigentes já tinham sugerido o afastamento de Nuzman, mas ele nunca considerou a hipótese. Agora, esta decisão pode até sair por votação de seus pares, que ficaram incomodados com a evolução da crise institucional.
 

Para Alaor Azevedo, presidente da CBTM (Confederação Brasileira de Tênis de Mesa) e único opositor de Nuzman na última eleição, a situação é delicada. “Essa suspensão deixa uma incógnita no ar, tornando ainda mais difícil alguns aspectos, como a busca por patrocínios. Em suma, é um retrocesso em um trabalho que vinha mostrando evolução”.
 

Na CBVela (Confederação Brasileira de Vela), o presidente Marco Aurélio de Sá Ribeiro mostra preocupação. “Nossa preocupação é com a instituição. Temos muitos amigos no COB, como a Adriana Behar, o Jorge Bichara, e queremos que continue o planejamento  para 2020”.


A suspensão também teve impacto na esfera governamental. Leonardo Picciani, ministro do Esporte, pediu para o secretário nacional de Esporte de Alto Rendimento, Rogério Sampaio, convocar o presidente interino do COB, Paulo Wanderley, a fim de obter informações detalhadas sobre a decisão do COI. “O Ministério do Esporte lamenta os recentes acontecimentos e confia no trabalho das autoridades competentes na apuração das denúncias”, informou, em nota. 

 

Agência Estado

TAGS
NULL