VERSÃO IMPRESSA

Ceará sofre mais faltas que comete

01:30 | 31/10/2017

Vice-líder da Série B do Brasileiro, o Ceará está perto de garantir o acesso. E entre os motivos relevantes que explicam a campanha alvinegra, especialmente depois da chegada do técnico Marcelo Chamusca, está o baixo número de faltas que a equipe comete.


Na relação dos 20 participantes da Segundona, o Ceará é o 3º time que menos infrações comete na competição. São 468 no total, apenas 14,6 por partida. No gráfico oposto, o Alvinegro é a 3ª equipe que mais sofre faltas. São 18,5 por encontro, totalizando 592.


A proporção entre o número de faltas cometidas e o de sofridas não guarda relação direta com posição na tabela, mas ajuda a explicar uma forma de jogar de determinada equipe. No caso do Ceará, por exemplo, é um time que marca de forma leal, intensa e com comprometimento coletivo. Como consequência, recebe poucos cartões (71 amarelos e três vermelhos, entre os cinco menos advertidos) e tem poucos atletas suspensos, algo que minimiza falta de entrosamento e dá opções variadas ao treinador.


Quando está com seu sistema de marcação ativo, o Alvinegro se preocupa em ocupar espaços com marcação tática. Fazendo poucas faltas, corre menos risco de tomar gol de bola parada. Tomando mais faltas – Lima e Pedro Ken são os que mais sofrem, respectivamente 3,1 e 2,9 infrações por jogo –, cria mais possibilidades de atingir o gol do adversário. Não por acaso, o Ceará é a 6ª melhor defesa e o 4º ataque mais positivo da Segundona. (Fernando Graziani)


ADRIANO NOGUEIRA

TAGS