PUBLICIDADE
VERSÃO IMPRESSA

Ceará e Fortaleza apostam em ações para cativar torcida infantil

Ceará e Fortaleza apostam em planos de sócios para crianças e na experiência da entrada no campo para conquistar torcida infantil

01:30 | 12/10/2017

Daniel Vitor, 9, e Luca Maciel, 6, são sócios dos seus clubes de coração, respectivamente Fortaleza e Ceará
MARIANA PARENTE/ESPECIAL PARA O POVO
Daniel Vitor, 9, e Luca Maciel, 6, são sócios dos seus clubes de coração, respectivamente Fortaleza e Ceará MARIANA PARENTE/ESPECIAL PARA O POVO

 

Time de futebol nem sempre é coisa que passa de uma geração para outra. Com os jogos de clubes estrangeiros sendo de tão fácil acesso quanto os de equipes renomadas de outros estados do Brasil, transferir uma paixão local muitas vezes se torna tarefa difícil. Cientes disso, Ceará e Fortaleza olham de forma estratégica para a garotada e tentam cativá-la promovendo experiências.

A criança pode não encontrar Ceará ou Fortaleza no jogo de videogame, mas pode ter como momento inesquecível entrar em estádio de Copa do Mundo, como o Castelão, acompanhando um atleta de um dos clubes, sob o canto da torcida.

“A entrada com os atletas (em campo, antes dos jogos) é primordial para o público infantil. Às vezes é a realização de um sonho”, aponta Kauê Aguiar, gerente de marketing do Fortaleza. A demanda para a ação, segundo ele, “é enorme”. A Confederação Brasileira de Futebol (CBF) limita a ação a 22 crianças por partida.

O diretor de marketing do Ceará, Lavor Neto, qualifica a entrada dos pequenos com os jogadores como “uma experiência muito forte”. Buscando privilegiar o torcedor oficial, mas de olho em quem ainda pode se tornar um, o clube seleciona 11 filhos de sócios e 11 filhos de torcedores “comuns”.

Mas esperar apenas pelos que vão ao estádio é pouco. Na corrida pela preferência da criançada, vale levar a marca a ambientes diferentes. O projeto Ceará 2000, por exemplo, visita periodicamente escolas públicas com mascote e vovozetes (líderes de torcida) para distribuir cartilhas de cidadania e esportividade. O mascote também é uma aposta do Fortaleza. Em ações pontuais, Juba vai a escolas e instituições divulgar campanhas.

 

SÓCIOS

Se a ideia é criar novos torcedores desde muito cedo, que sejam oficiais desde pequenininhos. Por isso, tanto Ceará quanto Fortaleza têm planos para esse público.

O programa de sócios-torcedores do Tricolor tem o plano Leão Kids (R$ 19,99). O cartão, para crianças até 12 anos, dá direito a entrar em qualquer setor do estádio (quando o time for mandante) e um mascote de brinquedo. É fato que elas têm entrada gratuita assegurada por lei, mas o plano evita que o responsável se desloque em dia determinado a cada jogo para buscar a gratuidade, além de não correr o risco de ficar sem uma, já que são limitadas. Hoje o Leão Kids tem 123 sócios. O número pequeno tem explicação: “Geralmente quem opta por essa modalidade faz apenas ela, ou seja, não é sócio. É alguém que quer presentear uma criança”, explica Kauê. O adulto que já é sócio pode colocá-la como dependente e hoje o Fortaleza tem 1.900 associadas dessa forma.

O SouMais Ceará oferece plano Kids e plano Teen. O primeiro, com características bem semelhantes ao do rival, custa R$ 10; o outro, para público de 13 a 18 anos, é dividido em bronze (R), prata (R) e ouro (R$ 100). Ao O POVO, o programa de sócios do Alvinegro informou apenas que a modalidade Kids corresponde a 8% do total de associados, sem especificar números.

“Gosto muito de ir ao estádio, comemorar as vitórias do meu time preferido e ainda ajudo”, diz o tricolor Daniel Vitor, 9 anos, promovendo o plano do seu clube. O alvinegro Luca Maciel, 6, define: “É show de bola”. O tio dele, Guillermo Maciel, explica a iniciativa de tornar o garoto sócio: “Meu pai incentivou a gente a levar as cores alvinegras, no estádio, entrando em campo com os jogadores. Hoje, ele passa para o neto o que fazia com os filhos”.

As vendas de materiais infantis também se destacam nos dois clubes. Nas lojas do Vovô, representam a segunda maior saída, perdendo apenas para o setor masculino adulto. Nas lojas do Leão, materiais para crianças chegam a corresponder a 20% das vendas.

BRENNO REBOUçAS